Mercado abrirá em 6 h 29 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,27
    +0,66 (+0,76%)
     
  • OURO

    1.797,10
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    37.222,74
    +1.196,59 (+3,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    844,07
    +24,57 (+3,00%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.591,22
    -215,78 (-0,91%)
     
  • NIKKEI

    26.694,10
    +523,80 (+2,00%)
     
  • NASDAQ

    14.143,75
    +157,00 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0293
    +0,0053 (+0,09%)
     

Cachorros conseguem perceber diferença entre idiomas, diz estudo

·2 min de leitura

De acordo com um novo estudo realizado na Hungria, cães são capazes de distinguir palavras entre o idioma que conhecem e outro totalmente novo. Para chegar à resposta, um estudo usou a clássica história do Pequeno Príncipe com um grupo de 18 cachorros.

Os animais ouviram a história em húngaro e em espanhol, enquanto seus cérebros eram analisados para verificar cada reação. A pesquisa foi comandada por Laura V. Cuaya, da Universidade Eötvös Loránd, em Budapeste, para onde se mudou do México com o seu cão chamado Kun-kun.

Cuaya conta que a ideia do estudo surgiu quando ela se perguntou se Kun-kun conseguiria notar que, em Budapeste, as pessoas falavam um idioma diferente — no caso, o húngaro. Então, pela primeira vez, foi descoberto que um cérebro não-humano também é capaz de distinguir diferentes línguas.

Cachorros podem ter cérebros bilíngues? (Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik)
Cachorros podem ter cérebros bilíngues? (Imagem: Reprodução/Wirestock/Freepik)

Metodologia

Raul Hernandez-Perez, co-autor do estudo, explica que, na convivência com humanos, os cães desenvolvem padrões auditivos à língua à qual estão expostos. Nos testes, portanto, Kun-kun e os outros cães foram treinados para ficarem deitados e imóveis enquanto passavam por um scanner cerebral.

Antes do teste, eles ouviram apenas um dos dois idiomas de seus donos, para assim ser possível avaliar as diferenças que uma língua familiar e outra diferente causavam no cérebro.

Reação

Além de ouvir trechos da história tanto em húngaro quanto em espanhol, os cientistas também embaralharam as versões para a detecção das falas pelos cães. Então, analisando as respostas cerebrais, eles descobriram padrões de atividade distintos no córtex auditivo primário do cérebro dos cães, mostrando que eles podem distinguir a fala e a não fala.

Ainda de acordo com o resultado da pesquisa, no córtex auditivo secundário, responsável por analisar sons complexos, os cérebros produziram padrões de atividade diferentes ao ouvir o idioma familiar e o desconhecido. Além disso, eles descobriram também que quanto mais velhos os cachorros, melhor o cérebro consegue fazer a distinção.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos