Mercado abrirá em 8 mins
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,00
    +2,82 (+4,26%)
     
  • OURO

    1.787,50
    +11,00 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    57.066,59
    -377,10 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.467,65
    +24,88 (+1,72%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.151,66
    +92,21 (+1,31%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.374,00
    +223,50 (+1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3906
    +0,0206 (+0,32%)
     

Cachorros comem fezes de usuários de cannabis e ficam intoxicados

·1 min de leitura

Essa pode ser uma daquelas notícias que se precisa ler duas vezes para acreditar, mas é isso mesmo: um estudo publicado no último dia 16 no Australian Veterinary Journal relata casos de cachorros de Melbourne (Austrália) ficando entorpecidos sob efeito de cannabis (uma das dez drogas mais antigas usadas pela humanidade) depois de comer fezes humanas.

“Esta série de casos retrospectivos descreve uma nova e inesperada fonte de intoxicação por cannabis em cães: fezes humanas contendo THC [a substância responsável pela maioria dos efeitos psicoativos da cannabis]. Revisamos os registros médicos de quatro hospitais veterinários de emergência 24 horas ​​e 15 cães atingiram os critérios”, diz o estudo.

O artigo descreve, ainda, quais sintomas tomaram conta dos cães intoxicados:

  • Falta de equilíbrio e coordenação motora

  • Pupila dilatada

  • Aumento da sensibilidade ao tato, à dor ou a outros estímulos sensoriais

  • Incontinência urinária

  • Inconsciência

Cachorros comem cocô com cannabis e ficam “chapados” na Austrália, aponta novo estudo (Imagem: Roberto Valdivia/Unsplash)
Cachorros comem cocô com cannabis e ficam “chapados” na Austrália, aponta novo estudo (Imagem: Roberto Valdivia/Unsplash)

Todos os cães do relatório de caso sobreviveram após a exposição à substância, mas os pesquisadores alertam que a experiência de alguns foi traumática, com direito a vômitos, problemas cardíacos e até convulsões.

O estudo destaca, ainda, a necessidade dos tutores de cães vigiarem com mais rigor seus hábitos alimentares, mesmo que não fumem, uma vez que muitos dos cães tiveram acesso às fezes humanas em locais abertos, como trilhas, por exemplo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos