Mercado abrirá em 2 h 43 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,12
    +1,86 (+2,81%)
     
  • OURO

    1.779,90
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    48.080,41
    -959,18 (-1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.227,89
    -213,87 (-14,83%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.189,44
    +67,12 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.788,00
    +70,25 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3739
    -0,0214 (-0,33%)
     

Cabo Verde elege ex-premiê de centro-esquerda para Presidência

·4 min de leitura

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - O arquipélago de Cabo Verde elegeu neste domingo (17) o ex-premiê de centro-esquerda José Maria Neves, 61, para a Presidência. Ativo na arena política cabo-verdiana desde que o país instituiu uma democracia parlamentar, em 1991, ele se torna o quinto presidente do país —e o quarto eleito pelo voto popular.

Com 99,4% das seções eleitorais apuradas, Neves, apoiado pelo Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), de oposição, obteve 51,7% dos votos. Em segundo lugar ficou o também ex-premiê Carlos Veiga, 71, do Movimento para a Democracia (MpD), com 42,4%.

Outros cinco candidatos, todos homens, disputaram o cargo.

No arquipélago —um dos nove membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa— é comum que PAICV e MpD se alternem no poder. O atual presidente, Jorge Carlos Fonseca, 70, pertence à segunda legenda. Ele ocupa o cargo desde 2011, e a Constituição proíbe mais de dois mandatos consecutivos.

Conhecido por ter sido terreno fértil para a democracia, ainda que tenha se tornado independente de Portugal há apenas 46 anos, Cabo Verde lidera os Palop (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) nos rankings mundiais de liberdades democráticas e não teve a posição abalada pela pandemia de Covid.

Um aspecto das eleições do último fim de semana, porém, despertou preocupação: a alta abstenção. De acordo com dados oficiais, dos cerca de 396 mil inscritos para votar —as dez ilhas do arquipélago somam 589 mil habitantes—, apenas 190 mil (48%) compareceram às urnas. A abstenção foi elevada não apenas no território cabo-verdiano como também na diáspora, parte importante do país.

Dos cerca de 54 mil cabo-verdianos em outros países inscritos para votar, apenas 14 mil compareceram. No Brasil, quinta nação com mais imigrantes registrados para participar do pleito (atrás de Portugal, São Tomé e Príncipe, França e EUA), 219 votaram; mais que o triplo disso estavam inscritos.

A missão da União Africana que acompanhou as eleições —foram 104 observadores internacionais, no total— elogiou o processo pacífico e organizado, mas aconselhou o novo governo a “trabalhar a abstenção para maior participação cívica" e "educar a população sobre seu papel”, segundo o jornal local A Nação.

O novo presidente terá o desafio de governar com um Parlamento de maioria do MpD, de centro-direita. Em abril, nas eleições legislativas, a sigla renovou sua vantagem por mais cinco anos e elegeu 38 deputados, contra 30 do PAICV e 4 da União Cabo-Verdiana Independente e Democrática (UCID).

O atual premiê e presidente do MpD, Ulisses Correia e Silva, parabenizou Neves pela vitória e afirmou que irá trabalhar para “garantir a estabilidade política”. No arquipélago, com regime semipresidencial, o presidente é o chefe de Estado, eleito por voto popular. Já o primeiro-ministro é o chefe de governo, responsável por escolher ministros e secretários.

Em seu primeiro discurso, Neves destacou o que chama de jornada cívica dos cabo-verdianos que, “nas ilhas e na diáspora, deram um grande exemplo de civismo”. O recém-eleito disse ainda estar ciente das dificuldades que enfrentará, a começar pelos impactos da pandemia.

Neves terá de guiar a retomada econômica do país, abalado pela crise sanitária. Antes da pandemia, o turismo era responsável por 25% das arrecadações de Cabo Verde, que teve de fechar as portas para estrangeiros. O PIB reduziu 14,8% ao longo de 2020, e muitos hotéis e restaurantes fecharam.

Desde o início da pandemia, o país acumulou 38 mil casos confirmados de Covid-19 e 347 mortes. Os números absolutos parecem irrisórios se comparados a países como o Brasil, mas a análise por milhão de habitantes mostra que o panorama é ruim. Atualmente, o país tem média diária de 38 novos casos por milhão de pessoas —no Brasil, essa média é de 45, de acordo com dados da plataforma Our World in Data.

Ao todo, 30% da população do arquipélago está com esquema vacinal completo. A procura pelo imunizante contra a Covid aumentou em junho, quando foi anunciada a implementação de um certificado de vacina —o “nha card”— para acessar eventos públicos e espaços fechados.

O novo presidente tem laços com o Brasil —graduou-se em administração pública pela Fundação Getúlio Vargas nos anos 1980. O movimento de cabo-verdianos para estudar ou trabalhar no Brasil é comum.

Dados compilados pela jornal Folha de S.Paulo mostram que, nas últimas duas décadas, mais de 4.700 pessoas imigraram para cá, fazendo de Cabo Verde o quinto país de língua portuguesa com mais imigrantes registrados no Brasil no período. Só nos últimos cinco anos foram 824 novos cabo-verdianos registrados no país.

Neves foi deputado e vice-presidente da Assembleia Nacional de Cabo Verde de 1996 a 2000, presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina (na ilha de Santiago) de 2000 a 2001 e premiê de 2001 a 2016

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos