Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,42
    -0,24 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.784,30
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    31.808,43
    -3.804,31 (-10,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,93
    -87,41 (-10,28%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.138,25
    +8,25 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9826
    -0,0535 (-0,89%)
     

Cabo submarino do Google ligará EUA e Brasil

·2 minuto de leitura
Cabo submarino do Google ligará EUA e Brasil
Cabo submarino do Google ligará EUA e Brasil

O Google está construindo um cabo submarino para ligar a América do Sul, incluindo o Brasil, aos Estados Unidos. No total, a instalação deve conectar a praia de Las Toninas, na Argentina, com a costa leste dos EUA. O trajeto inclui passagens pela Praia Grande, no litoral de São Paulo e por Punta del Este, no Uruguai. Após ser concluído, o Firmina, como foi batizado, deve ser o cabo submarino mais longo do mundo.

Feito de fibra óptica, o cabo deve ser capaz de funcionar com apenas uma fonte de energia em uma de suas extremidades para garantir uma conexão estável. O objetivo da instalação é melhorar o acesso dos habitantes da América do Sul aos serviços do Google.

Cabo submarino do Google

“Conforme as pessoas e empresas passam a depender de serviços digitais para diversos aspectos de suas vidas, o Firmina vai aprimorar o acesso aos serviços do Google para usuários na América do Sul”, disse Bikash Koley, vice-presidente de Global Networking do Google Cloud.

Leia também!

De acordo com o Google, em um cabo submarino, os dados são transportados por fluxos de luz que percorrem a fibra. Geralmente, esse tipo de conexão depende de fontes de energia de alta voltagem instaladas em todas as paradas do cabo pelos países onde ele passa.

No entanto o Firmina, apesar de seu comprimento, vai ser capaz de funcionar com apenas uma fonte de energia em suas extremidades. Isso garante que a conexão permanecerá ativa mesmo que aja algum problema nas outras fontes. “Conquistar esse design altamente resiliente, que representa a quebra de um recorde, foi possível ao fornecer uma voltagem 20% maior para este cabo do que a utilizada em sistemas anteriores”, completa o comunicado.

O nome do cabo submarino do Google é em homenagem à brasileira Maria Firmina dos Reis (1825 – 1917), escritora abolicionista responsável pelo romance Úrsula. Ela é considerada a primeira romancista brasileira.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos