Mercado fechará em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    119.410,67
    -153,77 (-0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,15
    +429,35 (+0,89%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,07
    -0,56 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.815,70
    +31,40 (+1,76%)
     
  • BTC-USD

    57.168,61
    -379,62 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.486,94
    +15,53 (+1,06%)
     
  • S&P500

    4.181,39
    +13,80 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    34.400,50
    +170,16 (+0,50%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.540,75
    +49,75 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3691
    -0,0578 (-0,90%)
     

Cabify aponta crise social e sanitária como motivos para deixar o Brasil

FILIPE OLIVEIRA
·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A startup de mobilidade espanhola Cabify anunciou nesta sexta-feira (23) que irá deixar o Brasil. As operações da empresa seguirão até o dia 14 de junho. Em comunicado, a companhia afirmou ter um forte compromisso com a rentabilidade e, após um processo de análise sobre o mercado, tomou a decisão de encerrar o serviço. A startup também disse que o mercado brasileiro ainda é muito afetado pela grave situação sanitária do país e pela crise socioeconômica local causada pela pandemia. Apesar de um projeto envolvendo grandes investimentos, a Cabify conquistou uma fatia do mercado pequena no Brasil. Na pesquisa semestral Panorama Mobile Time/Opinion Box, com usuários de smartphone, há um ano menos de 1% dos entrevistados que usam o serviço de corrida por aplicativo vem indicando o aplicativo da Cabify como seu preferido. Na última edição, realizada com 2.028 pessoas em março e ainda não divulgada, a empresa não foi mencionada por nenhum dos entrevistados como aplicativo predileto para viagens. A Uber ficou com 71% das menções. Enquanto suas principais rivais, Uber e 99, se engajaram em uma guerra de preços para conquistar o mercado brasileiro nos anos anteriores, a Cabify teve como estratégia cobrar mais caro dos clientes e se propor a oferecer um serviço de maior qualidade. A companhia chegou a chamar a concorrência no setor de irracional em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. A Cabify foi a última entre suas principais rivais a adotar a metodologia do preço dinâmico, segundo a qual a tarifa ao passageiro e o repasse ao motorista aumentam quando há maior volume de corridas. Ao tomar a decisão, no final de 2017, a empresa disse que o mecanismo, refutado no início, ajuda a equilibrar oferta e demanda e beneficia a todos. Executivos que passaram pela empresa disseram à reportagem considerar que a companhia já vinha desde o ano passado reduzindo suas atividades no Brasil e centralizando sua operação na Espanha. Na avaliação desses executivos, a empresa perdeu espaço no Brasil ao deixar de oferecer promoções com a mesma intensidade que as rivais e a buscar se tornar lucrativa antes delas, para garantir a sustentabilidade financeira do negócio. A estratégia teria levado a uma redução no número de chamadas para os motoristas, o que os fez dar preferência aos outros serviços de corrida. Luiz Correa, presidente do Sindimobi (sindicato que representa motoristas e entregadores de aplicativos no Rio), diz lamentar a notícia. Segundo ele, o aplicativo era muito usado em regiões de alta renda na cidade e em Niterói. Em sua avaliação, a Cabify se destacou no país ao oferecer um treinamento mais completo aos motoristas e melhor pagamento no início de sua operação. Mais tarde, conforme a concorrência se acirrou, os valores caíram e o preparo aos profissionais diminuiu, diz. Outra vantagem do serviço da empresa para os profissionais, avalia Correa, é que ela não colocou descontos nas tarifas e nos repasses aos motoristas em horas de poucas chamadas, estratégia adotada por Uber e 99 durante a pandemia. Em nota, Vitor Magnani, presidente da ABO2O (associação de startups), disse que o setor perde uma grande empresa que contribuiu para o avanço da mobilidade urbana no Brasil. A entidade diz que a pandemia da Covid-19 apresentou diversos desafios para todos os setores da economia e que, para superar a crise, é fundamental o apoio do setor público para estimular a concorrência entre as plataformas e o surgimento de novos competidores. A Cabify disse já ter informado os motoristas, passageiros e parceiros de seu serviço sobre sua decisão. O serviço está presente em 40 cidades no Brasil e a startup não informa o número de profissionais cadastrados. A Uber atua em mais de 500 cidades brasileiras e a 99, em 1.600. A Cabify chegou ao Brasil em maio de 2016, na esteira das primeiras regulações para o serviço de transporte por aplicativo em carros particulares na cidade de São Paulo. Em 2017, a companhia adquiriu a startup brasileira Easy Taxi, uma das pioneiras no serviço de transporte por aplicativo no Brasil e que havia chamado atenção por uma rápida expansão internacional movida com recursos do fundo Rocket Internet. O serviço de táxis foi incorporado ao aplicativo da espanhola em 2019. A startup foi fundada em 2011 em Madri. Segue funcionando na Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, México, Peru e Uruguai. A companhia disse no comunicado que as cidades da América Latina e da Espanha em que está presente mostram bons índices de recuperação em comparação com o nível de atividade anterior à pandemia. Em média, a demanda global de viagens da empresa se recuperou em 75% até o final de 2020, afirma. ​ No início deste mês, a Cabify contratou o executivo Antonio España, do mercado de distribuição de gás, para ocupar a posição de diretor financeiro, o que foi visto pelo mercado como um movimento em direção à abertura de capital da empresa na bolsa de Madri. * RAIO-X DA CABIFY Fundação 2012 em Madri Mercados 85 cidades de 9 países Investimento recebido US$ 477 milhões (cerca de R$ 2,6 bilhões) Principais investidores Rakuten, TheVentureCity e Endeavor Catalyst Concorrentes Uber e 99 EMPRESAS FECHANDO ATIVIDADES NO BRASIL Cabify A startup espanhola de mobilidade encerra suas atividades em junho após ter dificuldades para rentabilizar o negócio e dificuldades na pandemia Ford A montadora americana anunciou em janeiro que deixaria as atividades fabris no Brasil, encerrando fábricas em Taubaté (SP) e Camaçari (BA) Sony A empresa japonesa vendeu em dezembro sua fábrica de Manaus que produzia aparelhos de som, TVs e consoles de vídeo-game, para a Mondial, marca brasileira de eletrodomésticos LG A fabricante de eletrônicos decidiu encerrar sua produção mundial de celulares até 31 de julho, o que levará ao fechamento de fábrica em Taubaté (SP) LafargeHolcim A fabricante de cimentos contratou o Itaú BBA para vender suas indústrias no Brasil. Analistas apontam desvalorização do real e incertezas sobre futuro da economia brasileira como prováveis motivos.