Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.981,58
    -842,88 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Cabify aponta crise social e sanitária como motivos para deixar o Brasil

FILIPE OLIVEIRA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A startup de mobilidade espanhola Cabify anunciou nesta sexta-feira (23) que irá deixar o Brasil. As operações da empresa seguirão até o dia 14 de junho. Em comunicado, a companhia afirmou ter um forte compromisso com a rentabilidade e, após um processo de análise sobre o mercado, tomou a decisão de encerrar o serviço. A startup também disse que o mercado brasileiro ainda é muito afetado pela grave situação sanitária do país e pela crise sócioeconômica local causada pela pandemia. Enquanto suas principais rivais, Uber e 99, se engajaram em uma guerra de preços para conquistar o mercado brasileiro nos anos anteriores, a Cabify teve como estratégia cobrar mais caro dos clientes e se propor a oferecer um serviço de maior qualidade. A empresa disse já ter informado os motoristas, passageiros e parceiros de seu serviço sobre sua decisão. A startup foi fundada em 2011 em Madri. Segue funcionando na Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, México, Peru e Uruguai.