Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.785,04
    +1.955,31 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.071,82
    -263,69 (-0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,41
    +1,27 (+1,65%)
     
  • OURO

    1.887,90
    +3,10 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    22.896,63
    -325,07 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    527,26
    -9,63 (-1,79%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.541,25
    -235,50 (-1,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5665
    -0,0106 (-0,19%)
     

Caça ao tesouro no Rio Tamisa

A Autoridade do Porto de Londres parou de emitir licenças para as pessoas que procuram objetos de valor nas margens do rio Tamisa.

O passatempo permitiu descobrir peças históricas. Atualmente, os artefactos encontrados devem ser entregues ao Museu de Londres, mas muitos coletores conseguiram manter os seus tesouros.

"Passámos de cerca de 200 autorizações, emitidas há quatro ou cinco anos, para as atuais 5 mil. E este é um grande aumento", diz James Trimmer, diretor do Porto de Londres, sublinhando que a medida vai " proteger a integridade e a arqueologia da costa."

Livros sobre este passatempo e imagens divulgadas nas redes sociais ajudaram a inspirar uma nova onda de entusiastas. A costa do Tamisa tornou-se uma atração internacional, mas a pausa nas licenças arruinou os planos de várias famílias.

"Investimos milhares de dólares para fazer esta viagem, que não pode ser alterada", conta Michelle Ronback, residente no Canadá, que marcou férias em Londres com irmãs na próxima primavera.