Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,86
    +0,72 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.834,50
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    35.936,60
    +716,38 (+2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.235,51
    -286,75 (-1,04%)
     
  • NASDAQ

    14.541,25
    +114,75 (+0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1793
    -0,0107 (-0,17%)
     

“Cúpula da Democracia” reúne 110 líderes para debater medidas contra o autoritarismo

·2 min de leitura

O governo americano realiza nesta quinta-feira (9) a “Cúpula da Democracia”. O evento virtual traz uma lista de mais de uma centena de convidados, muitos com questionáveis credenciais democráticas.

Luiza Duarte, correspondente da RFI em Nova York

A presença do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, é um dos alvos de críticas. China e Rússia não estão entre os participantes e Singapura, Turquia e Hungria também ficaram de fora, enquanto aliados europeus e asiáticos ganharam espaço. A cúpula deve discutir modelo de sanções e ações para combater a corrupção, proteger os direitos humanos e resistir a “ameaças aos sistemas democráticos”.

No encontro, representantes dos países farão discursos em vídeo de menos de cinco minutos cada. Não é esperado que eles anunciem compromissos durante a cúpula, mas, a seguir, devem se comprometer com um conjunto de ações. Resultados devem ser apresentados em uma nova reunião, que está programada para o segundo semestre de 2022. Além de representantes de governos, estão presentes membros de organizações da sociedade civil e lideranças jovens. O formato será semelhante à versão virtual da Assembleia Geral da ONU, devido à pandemia da Covid-19.

Influência americana

Biden dará espaço para representantes da oposição em Hong Kong e do governo de Taiwan, em clara colisão com Pequim. Na próxima semana, os EUA vão impor uma série de sanções que visam indivíduos envolvidos em corrupção, violações dos direitos humanos e ameaças à democracia. O combate à corrupção foi classificado como de interesse nacional para Washington e deve se desdobrar na agenda diplomática.


Leia mais

Leia também:
Biden reduz pacote social e ambiental à metade do valor para vencer resistência do Congresso
Derrota para Biden: programa de imigração criado por Trump é reinstaurado entre México e EUA
Macron e Biden se encontram em Roma pela primeira vez após crise dos submarinos

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos