Mercado abrirá em 6 h 9 min
  • BOVESPA

    113.031,98
    +267,72 (+0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.638,36
    -215,01 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,62
    -0,79 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.795,50
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    24.024,78
    -314,17 (-1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,57
    -21,19 (-3,59%)
     
  • S&P500

    4.297,14
    +16,99 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    33.912,44
    +151,39 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.509,15
    +8,26 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.696,07
    -344,79 (-1,72%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.657,25
    -24,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1772
    -0,0013 (-0,03%)
     

Cérebro pode indicar tendência a transtorno do estresse pós-traumático

As respostas do cérebro podem indicar tendência a transtorno do estresse pós-traumático, segundo uma pesquisa publicada no JNeurosci. Cientistas observaram que, nos primeiros dias e semanas após a experiência do trauma, os indivíduos que tinham menos atividade no hipocampo desenvolveram sintomas mais graves do transtorno.

Segundo o artigo, pessoas com maiores reações defensivas a eventos potencialmente ameaçadores podem ter mais dificuldade em saber se um acontecimento é perigoso ou seguro, e são mais propensas a experimentar formas graves de transtorno do estresse pós-traumático, aderindo a comportamentos autodestrutivos e problemas para dormir e se concentrar, além de irritabilidade.

Através de técnicas de imagem cerebral juntamente com testes laboratoriais, os pesquisadores descobriram que os indivíduos com menos atividade no hipocampo e maiores respostas defensivas a eventos surpreendentes após o trauma resultam nesses sintomas mais graves. Acontece que o hipocampo pode ser definido como uma estrutura cerebral fundamental para formar memórias de situações perigosas e seguras.

Cérebro pode indicar tendência a transtorno do estresse pós-traumático (Imagem: Aew/Rawpixel)
Cérebro pode indicar tendência a transtorno do estresse pós-traumático (Imagem: Aew/Rawpixel)

“Essas descobertas destacam um importante biomarcador de transtorno do estresse pós-traumático focado em como as pessoas formam e recuperam memórias após o trauma”, apontam os pesquisadores. Isso ajuda a entender as diferenças entre indivíduos que desenvolvem transtorno de estresse pós-traumático e aqueles que não desenvolvem.

Em entrevista anterior ao Canaltech, o psiquiatra dr. Luiz Scocca, da Associação Americana de Psiquiatria (APA), ressaltou que o transtorno de estresse pós-traumático pode vir à tona até três meses após o evento, mas também há situações mais atípicas, onde um ano após o evento o transtorno começa a se desenvolver. Com isso, quando os sintomas duram apenas um mês ou menos, o caso é tratado como um transtorno de adaptação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos