Mercado abrirá em 7 h 51 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,19
    -0,07 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.814,80
    -7,40 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    38.162,16
    -1.604,84 (-4,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    927,07
    -33,83 (-3,52%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    25.987,16
    -248,64 (-0,95%)
     
  • NIKKEI

    27.559,58
    -221,44 (-0,80%)
     
  • NASDAQ

    14.971,50
    +18,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1235
    -0,0206 (-0,34%)
     

“Células do tempo” organizam memórias em ordem cronológica, diz pesquisa

·2 minuto de leitura
“Células do tempo” organizam memórias em ordem cronológica, diz pesquisa
“Células do tempo” organizam memórias em ordem cronológica, diz pesquisa

Um estudo pode ter encontrado a resposta para como o nosso cérebro organiza fatos em ordem cronológica e como conseguimos lembrar das coisas na hora certa em que elas aconteceram. As responsáveis para isso seriam as “células do tempo”, neurônios que ficam no hipocampo e podem ser responsáveis pelo fluxo temporal.

Os testes em ratos mostraram que conjuntos de neurônios específicos são usados ​​para apoiar a lembrança de eventos e o planejamento de sequências de ação. “Criar memórias episódicas requer ligar eventos distintos de uma experiência com fidelidade temporal”, explicam os pesquisadores em seu estudo.

Células do tempo

“Dada a importância do hipocampo no aprendizado de ordem de sequência e julgamentos de ordem temporal, testamos se os neurônios do hipocampo humano representavam informações temporais enquanto os participantes aprendiam a ordem de uma sequência de itens”, completa ainda o estudo.

A pesquisa em humanos foi feita em pacientes que estavam em tratamento para epilepsia e não foi necessário nenhum implante, apenas eletrodos, o que garantiu a segurança do procedimento. Durante as sessões, em que imagens eram exibidas, os eletrodos gravaram neurônios específicos no hipocampo disparando em resposta ao experimento.

Leia mais:

Os resultados mostraram que as “células do tempo” foram ativadas quando as imagens deixaram de ser exibidas. “Observou-se que células de tempo disparavam em momentos sucessivos nesses períodos em branco”, explicaram os pesquisadores.

“A modulação temporal durante esses períodos de intervalo não pode ter sido impulsionada por eventos externos; em vez disso, eles parecem representar um sinal temporal em evolução como resultado de mudanças na experiência dos pacientes durante esse tempo de espera”, completa a pesquisa.

O estudo concluiu que as “células do tempo” são capazes de codificar as experiências obtidas pelos seres humanos na ordem dos acontecimentos. Isso vale para as memórias, mas também para estímulos sensoriais e outros tipos de reações.

“Central para nossa experiência de reviver o passado é nossa capacidade de recordar vividamente eventos específicos que ocorreram em um lugar específico e em uma ordem temporal específica … Nossos resultados fornecem evidências adicionais de que os neurônios humanos do hipocampo representam o fluxo do tempo em uma experiência”, finalizam.

Via The Journal of Neuroscience

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos