Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.607,34
    +350,49 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Cães farejadores detectam Covid quase tão bem quanto testes PCR

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os cães são capazes de detectar a Covid-19 em humanos, mostrou um novo estudo, abrindo caminho para o uso mais amplo de cães farejadores no esforço global para conter a pandemia.

A detecção dos cães atingiu 97% de sensibilidade no estudo francês, o que significa que podem identificar bem as amostras positivas. O método também obteve 91% de especificidade no que diz respeito a capacidade de cães identificarem amostras negativas. A classificação de sensibilidade supera a de muitos testes rápidos com antígenos, que tendem a ser melhores em descartar a infecção do que em encontrá-la.

Os resultados mostram que cães farejadores poderiam ser mais utilizados em aeroportos, estações de trem ou onde quer que multidões se amontoem para examinar pessoas, da mesma forma que são usados para detectar drogas ou bombas. O uso de cães também faria com que a Covid pudesse ser identificada em apenas uma fração de segundo, de maneira não invasiva e com baixo custo.

O teste, que foi conduzido na Escola Nacional de Veterinária da França em Maisons Alfort, perto de Paris, coletou amostras de suor das axilas dos participantes com almofadas de algodão, as quais foram fechadas em potes e concedidas a pelo menos dois cães diferentes para farejá-las. Nenhum dos cães teve contato prévio com os voluntários. Foram testadas 335 pessoas, das quais 109 foram testadas positivas em um teste de RT-PCR que serviu de controle. Nove cães participaram e os pesquisadores não sabiam quais amostras eram positivas.

Em julho, pesquisadores alemães mostraram que cães treinados foram capazes de distinguir entre amostras de saliva de pessoas infectadas com o vírus e aquelas que não eram, em mais do que 90% do tempo. Finlândia, Dubai e Suíça começaram a treinar cães para farejar infecções.

O último estudo foi realizado entre 16 de março e 9 de abril, e a região de Ile-de-France ajudou a financiá-lo, contribuindo com 25.000 euros (US$ 30.500).

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos