Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,57
    -0,35 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.836,60
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    55.697,71
    -2.965,70 (-5,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.465,41
    -95,89 (-6,14%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.286,56
    -309,10 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.896,68
    -621,66 (-2,11%)
     
  • NASDAQ

    13.207,00
    -149,75 (-1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3587
    +0,0185 (+0,29%)
     

Câmeras registram meteoros no Rio Grande do Sul e Santa Catarina; veja

Rafael Rigues
·2 minuto de leitura
Câmeras registram meteoros no Rio Grande do Sul e Santa Catarina; veja
Câmeras registram meteoros no Rio Grande do Sul e Santa Catarina; veja

Câmeras da Bramon (Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros) e do Clima ao Vivo registram na noite entre esta quarta (28) e quinta-feira (29) a passagem de meteoros sobre os céus de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

No Rio Grande do Sul os objetos foram flagrados por câmeras em Boqueirão do Leão, Bom Princípio e Farroupilha, às 23h52 (horário de Brasília) da quarta-feira. Pouco tempo depois, uma câmera em Tangará (SC) registrou outro meteoro às 00h01 da quinta-feira. Veja abaixo.

Uma estação da Bramon operada por Gabriel Zaparolli de sua casa no centro de Torres, no RS, também registrou os meteoros, que tinham brilho elevado.

O primeiro tinha magnitude -3.6 e caiu às 23h52 (hora local) da quarta-feira. Ele começou a queimar na atmosfera a 96 km de altitude, se desintegrando totalmente a 54 km de altitude próximo de Candiota, no RS.

Já o segundo, com magnitude -4.6, foi visto sete minutos depois, às 00h01 (hora local) da quinta-feira, entrando na amosfera a 104 km de altitude e se desintegrando totalmente a uma altitude de 78 km, nas proximidades de Taquari, no RS.

Na escala de magnitude, quanto menor o número maior o brilho de um objeto. A Lua cheia, por exemplo, tem magnitude média de -12.74. Veja os meteoros no vídeo abaixo.

Gabriel é um dos operadores mais antigos da Bramon, se juntando à rede em 2016, aos 15 anos de idade. Hoje, aos 20 anos, opera duas estações em sua casa (GZT1/RS e GZT2/RS) e espera receber nos próximos meses mais duas estações, “para um mapeamento completo de toda área continental”.

Leia mais:

Meteoros, bólidos ou meteorito?

Sempre que ocorrem eventos como esse, surgem dúvidas a respeito dos termos meteoros, bólidos e meteoritos. Parecem até sinônimos, mas há uma diferença sensível no significado dessas palavras.

  • Meteoro: é o evento luminoso gerado pela passagem de um fragmento de rocha espacial em alta velocidade pela atmosfera. O calor gerado pelo meteoro consome a imensa maioria dos fragmentos de rocha que atingem nossa atmosfera. Popularmente, um meteoro é chamado de estrela-cadente.

  • Bólido: é um meteoro mais brilhante que o planeta Vênus (Estrela d’alva) e que geralmente termina com uma explosão. Para gerar essa luminosidade, o fragmento de rocha precisa ser um pouco maior. Quando o bólido apresenta um brilho mais intenso que uma Lua Cheia, chamamos de “super bólido”.

  • Meteorito: é o fragmento de rocha espacial que resistiu à passagem atmosférica e atingiu a superfície da Terra. Geralmente os meteoritos são produzidos em eventos que geram grandes bólidos, mas nem todos os bólidos geram meteoritos.

Fonte: Clima ao Vivo / Gabriel Zaparolli