Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    47.906,77
    -757,90 (-1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    956,71
    -37,95 (-3,82%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7378
    +0,1673 (+2,55%)
     

Câmera da sonda Solar Orbiter filma Vênus, Terra e Marte; confira o vídeo!

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

A sonda Solar Orbiter, lançada pela NASA e pela Agência Espacial Europeia (ESA), vem estudando o Sol desde o ano passado. Nisso, enquanto viajava com destino a Vênus em novembro de 2020 para sobrevoá-lo no mês seguinte, a câmera Heliospheric Imager (SoloHI) a bordo da sonda realizou uma filmagem que pôde capturar Vênus, a Terra e Marte em um só vídeo, enquanto muitas estrelas aparecem ao fundo.

O vídeo foi publicado pela ESA e mostra os planetas com um leve movimento no campo de visão do instrumento. Vênus, que estava a uma distância de 48 milhões de quilômetros da Solar Orbiter, é o objeto mais brilhante que vemos; já nosso planeta encontrava-se a 251 milhões de quilômetros de distância, enquanto Marte estava a mais de 300 milhões de quilômetros — o Sol estava mais para o lado direito da filmagem, mas acabou fora do enquadramento.

Confira o registro incrível:

A gravação foi feita conforme a Solar Orbiter seguia a caminho de Vênus para realizar seu primeiro sobrevoo de nosso vizinho e aproveitar para observá-lo de pertinho: apesar de o objetivo dela ser os estudos do Sol, a sonda irá fazer alguns sobrevoos por Vênus para aproveitar a assistência gravitacional proporcionada pelo planeta e, assim, chegará mais perto do Sol, fazendo ajustes de órbita para conseguir observar nossa estrela de diferentes perspectivas.

Lançada em 2020, a Solar Orbiter é o laboratório científico mais complexo já construído para estudar nossa estrela. A fase inicial da missão deverá ocorrer pelo menos até novembro de 2021, e vem desde o início coletando dados constantemente com seus instrumentos que obtêm medidas das condições do ambiente ao redor da nave. A Solar Orbiter tem seis instrumentos remotos a bordo, e um deles é a câmera SoloHI, que vem observando o vento solar ao capturar a luz dos elétrons. Durante a etapa atual da missão, os instrumentos são calibrados periodicamente.

Chamamos de “vento solar” o fluxo de partículas carregadas que são liberadas constantemente no espaço pela coroa solar. Estudá-las é importante porque, quando ocorrem ejeções de massa coronal, partículas são emitidas a enormes velocidades. O problema é que as "rajadas" dessas partículas podem prejudicar satélites em órbita, tecnologias em solo e até astronautas. Assim, entender os mecanismos que causam o vento solar e a aceleração das partículas dele podem nos ajudar a prever melhor a ocorrência delas para que possamos nos preparar melhor e evitar danos às nossas tecnologias em órbita.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: