Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,05
    -0,44 (-0,67%)
     
  • OURO

    1.869,00
    +1,00 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.254,93
    -1.173,18 (-2,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.214,97
    -38,17 (-3,05%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.875,88
    -530,96 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    13.177,25
    -34,75 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Câmbio continuará suscetível a ruídos, diz BNP Paribas

José de Castro
·2 minuto de leitura
Cédulas de dólar

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A taxa de câmbio continuará vulnerável a choques no curto prazo, em meio a um ambiente de preocupação fiscal e de ruídos políticos, disse Gustavo Arruda, chefe de pesquisa para América Latina do BNP Paribas.

"O câmbio fica muito ruim, muito suscetível a choques e a ruídos no curto prazo. Mas, à medida que vai entrando a recuperação, outro estágio da economia, a moeda (o real) tende a performar melhor, a voltar um pouco mais para próximo de onde a gente acredita em termos de fundamento", afirmou.

O BNP projeta dólar de 5 reais ao fim do ano. A moeda norte-americana era cotada perto de 5,72 reais nesta terça.

O alívio do câmbio, segundo Arruda, seria reflexo de uma melhora da economia ao longo do segundo semestre, período em que a vacinação deverá estar mais acelerada no país, permitindo a reabertura dos negócios.

A projeção do economista é que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 2,5% em 2021, sobretudo pela recuperação esperada para a segunda metade do ano, já que, nos dois primeiros trimestres do ano o cálculo é de contração econômica: de 0,5% entre janeiro e março e de "mais de 1%" de abril a junho.

Justamente pelo ritmo ainda lento da retomada neste ano, Arruda não vê o Banco Central muito mais agressivo nas futuras altas de juros.

"Não faria sentido o Banco Central agir e subir todo o juro necessário para convergir a inflação necessariamente no ano que vem e forçar uma desaceleração da economia, que já está muito frágil", afirmou.

"É uma questão de balanço aqui: se a inflação está convergindo para a direção correta, faz sentido o Banco Central ser um pouco mais parcimonioso."

O BNP projeta que a Selic terminará este ano em 5% --a taxa está atualmente em 2,75%. Em 2022, depois de uma pausa, o BC reinicia o ciclo de normalização monetária e eleva o juro para 6,5%, de acordo com o banco francês.

Nesse cenário, a inflação ficaria acima da meta tanto em 2021 quanto em 2022. O IPCA previsto é de 5% neste ano (meta de 3,75%) e 4% (meta de ​3,50%).