Mercado fechará em 7 hs
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,56
    +0,28 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.717,10
    +1,30 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    49.382,70
    -2.107,88 (-4,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    990,05
    +2,84 (+0,29%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.625,95
    -49,52 (-0,74%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.651,00
    -30,75 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7578
    -0,0209 (-0,31%)
     

Câmara de SP deve ter CPI para apurar violência contra transexuais

ARTUR RODRIGUES
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Câmara de São Paulo deve ter uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar violência contra pessoas transexuais. O requerimento foi feito pela vereadora Erika Hilton (PSOL) e já há acordo para a aprovação da comissão nesta terça-feira (23). A Casa tem três CPIs por vez. As outras duas, já aprovadas, investigarão aplicativos de transporte e maus-tratos contra animais. O requerimento de Hilton cita o caso de Lorena Muniz, transexual que veio a São Paulo colocar próteses mamárias e morreu. "Ela, porém, acabou morrendo após ter sido abandonada sedada na sala de cirurgia inalando fumaça enquanto um incêndio atingia a clínica", diz o texto. "Lorena foi mais uma vítima da violência de gênero que afeta pessoas trans e travestis e do descaso do Estado nos cuidados da saúde específica dessas pessoas". Além da CPI, Hilton e a deputada estadual Erica Malunguinho entraram com representação conjunta no Ministério Público solicitando investigação. O requerimento acontece também pouco depois da própria vereadora, que é transexual, registrar um boletim por ameaça dentro da Câmara Municipal de São Paulo. Ela teve a segurança reforçada depois do episódio. Integrantes de mandatos coletivos na Câmara, Samara Sosthenes, da bancada Quilombo Periférico, e Carolina Iara, da Bancada Feminista, também trans, foram alvos de ataques. Como não existe ainda uma regulamentação federal sobre as candidaturas, a Casa ainda estuda uma forma de dar segurança a elas, possivelmente fazendo escolta no trajeto até a Câmara. "No tocante à violência de gênero, o dossiê publicado pela Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) em 2020 aponta o Brasil como o país que mais mata travestis e transexuais no mundo. O Estado de São Paulo aparece como o que mais matou essa população, totalizando 51 mortes", diz o requerimento, ressaltando a necessidade de mapeamento mais preciso, diante da grande subnotificação de casos.