Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.453,65
    +622,98 (+2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Câmara essencial para experimentos na ISS completa 20 anos

Um dispositivo crucial para muitos dos experimentos realizados a bordo da Estação Espacial Internacional completou 20 anos no espaço no dia 8 de julho. Batizado de Microgravity Science Glovebox ("Caixa com Luvas para Experimentos em Microgravidade", ou apenas “MSG”) e gerenciado pelo Marshall Space Flight Center, o MSG se parece com uma caixa fechada com duas aberturas para luvas. Mas as aparências enganam: ele é um laboratório único onde já foram realizados mais de 60 experimentos, conduzidos ao longo de 70 mil horas de trabalho de tripulantes da estação e cientistas em todo o mundo.

Desenvolvido pela NASA em parceria com a Agência Espacial Europeia e instalado no módulo Destiny, dos Estados Unidos, o MSG conta com portas integradas a um par de luvas. Assim, ele permite a manipulação segura de elementos de pesquisa para investigações de pequeno e médio porte em física, ciência da combustão e dos materiais, biotecnologia, entre outras áreas.

Astronauta Samantha Cristoforetti, da Agência Espacial Europeia, trabalhando com o MSG em 2014 (Imagem: Reprodução/NASA)
Astronauta Samantha Cristoforetti, da Agência Espacial Europeia, trabalhando com o MSG em 2014 (Imagem: Reprodução/NASA)

Além da proteção proporcionada pelo dispositivo, os astronautas podem observar o trabalho que estão conduzindo através de uma janela de acrílico, enquanto cientistas em solo acompanham o andamento das atividades com uma câmera instalada na parte interna do MSG.

O MSG oferece um espaço fechado para estudos conduzidos na microgravidade da estação espacial, servindo também como um ambiente seguro para estudos com líquidos, fogo e partículas. Ele conta com dois níveis de contenção, o que evita que os compostos vazem e que os astronautas tenham contato com pequenas partículas aerossolizadas, com potencial nocivo.

Chris Butler, gerente de integração de cargas úteis do MSG, o descreve como um “pau pra toda obra”. “Estamos 10 anos além da expectativa de vida dele, e foi certificado [para continuar operando] ao longo da década de 2030”, disse, em um comunicado publicado pela NASA.

No momento, os astronautas da Expedição 67 estão usando o dispositivo para estudar como podem manipular líquidos com a ajuda da acústica, entre outras investigações. Experimentos futuros realizados com o MSG devem ser focados na combustão, em semicondutores e fibra óptica.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos