Mercado fechará em 5 h 34 min
  • BOVESPA

    119.730,35
    -331,64 (-0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.793,61
    -74,01 (-0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,15
    -0,20 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.784,40
    -8,70 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    54.622,44
    -823,75 (-1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.276,06
    +33,00 (+2,65%)
     
  • S&P500

    4.165,08
    -8,34 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    33.987,39
    -149,92 (-0,44%)
     
  • FTSE

    6.915,41
    +20,12 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.881,25
    -38,00 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5921
    -0,1099 (-1,64%)
     

Câmara conclui votação da PEC Emergencial, que deve ser promulgada sem voltar ao Senado

·2 minuto de leitura
Vista aérea do Congresso Nacional em Brasília

(Reuters) - A Câmara dos Deputados concluiu na madrugada desta sexta-feira a votação da PEC Emergencial, e uma análise da consultoria da Casa deve recomendar a promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sem a necessidade de retorno ao Senado.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou em entrevista à TV Câmara que entende como possível a promulgação rápida da PEC, já que as mudanças promovidas no texto trataram-se de supressões, e não nova redação a dispositivos.

"Era normal que tivéssemos pequenas alterações que não influenciarão, do ponto de vista da assessoria, da consultoria da Casa, em ter que retornar ao Senado. A nossa posição é de promulgação", disse.

"Deveremos ouvir também o Senado, a sua assessoria técnica", acrescentou.

O plenário da Câmara aprovou na quinta-feira dois destaques surgidos de acordo entre partidos da base aliada e o governo, tirando da PEC a proibição de promoção funcional ou progressão de carreira de qualquer servidor ou empregado público.

A retirada desses trechos da PEC foi autorizada pelo governo mediante acordo para evitar a aprovação de um outro destaque que tentava suprimir todos os gatilhos relacionados ao funcionalismo público, incluindo a vedação à concessão de reajustes.

A PEC estabelece condições para a concessão do auxílio emergencial aos vulneráveis atingidos pela pandemia de Covid-19 em um montante de até de 44 bilhões de reais por fora das regras fiscais em 2021, e também traz gatilhos a serem acionados para conter despesas públicas.

Mas críticos à medida afirmam que ela se aproveita do momento de necessidade da renda assistencial temporária, gerado pela pandemia, para a concretização de medidas de ajuste fiscal de longo prazo.

Lira comemorou a aprovação da PEC, classificando-a como "uma sinalização muito forte de que daqui para frente o Brasil vai estar atento a conter as suas despesas, a se programar, a ter previsibilidade, principalmente nessa questão dos gastos".

Lira acrescentou, ainda, que concluída a análise da PEC, a Câmara irá se dedicar a outros temas. O deputado confirmou expectativa de votação do projeto da Lei do Gás na próxima semana.

Também citou as reformas tributária e administrativa como temas que serão destravadas, assim como a privatização da Eletrobras e dos Correios.

No caso da reforma tributária, Lira disse que conversará com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para acertar um calendário, já que a proposta deve começar formalmente sua tramitação pelo Senado.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro, e Maria Carolina Marcello, em Brasília)