Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.471,92
    -3.972,89 (-6,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Câmara aprova texto principal de MP que permite quitação de débitos tributários sob litígio

BRASÍLIA (Reuters) - A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira a MP 685, que autoriza a quitação de débitos tributários vencidos até junho de 2015 com a Receita Federal ou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) que estejam sob discussão administrativa ou judicial. A medida provisória, que pode ajudar o governo a incrementar suas receitas em um momento de esforço para ajustar as contas públicas, institui o Programa de Redução de Litígios Tributários (Prorelit). O programa permite ao contribuinte quitar parte da dívida em dinheiro. O restante poderá ser pago por meio de créditos de prejuízos fiscais e da base de cálculo negativa da Constribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Após a aprovação do texto-base, deputados retiraram artigos da MP que conferiam mais poder à Receita ao obrigar o envio de informações das empresas ao fisco. Mal vistos pelo setor produtivo, os dispositivos eram criticados por obrigar pessoas jurídicas a informar seu planejamento tributário à Receita. Deputados aprovaram ainda, por 201 votos a 200, uma emenda que autoriza a correção de taxas previstas na MP por meio de decretos do Executivo, desde que o aumento respeite o limite da variação do índice de inflação desde a última correção, por um período mínimo de um ano. (Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos