Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.549,61
    +20,64 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,77
    -0,90 (-1,44%)
     
  • OURO

    1.793,60
    +15,20 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    55.595,59
    -273,90 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.278,53
    +15,57 (+1,23%)
     
  • S&P500

    4.144,71
    +9,77 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    33.940,35
    +119,05 (+0,35%)
     
  • FTSE

    6.887,49
    +27,62 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.779,50
    -14,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6728
    -0,0297 (-0,44%)
     

Câmara aprova texto-base de PEC Emergencial em 2º turno

Maria Carolina Marcello
·2 minuto de leitura
Plenário da Câmara dos Deputados

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira o texto principal da PEC Emergencial em segundo turno, e deve dedicar a tarde e a noite à análise de pelo menos dez emendas a serem votadas separadamente.

O texto-base foi aprovado por 366 votos a 127. Por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), são necessários ao menos 308 votos favoráveis para sua aprovação, assim como será exigido esse quórum especial de aprovação durante a votação dos destaques.

Uma das emendas, destacada a partir de acordo selado pelo governo, deve retirar do texto da PEC a vedação à progressão e à promoção de funcionários públicos do rol de gatilhos a serem acionados para a contenção de despesas.

"Nós estamos hoje construindo a votação do segundo turno da PEC Emergencial para pagar auxílio aos brasileiros que precisam. No acordo de hoje, além dos destaques que foram anotados para dar progressão e promoção a todos os servidores públicos de todas as categorias, também há um acordo no sentido de que a Lei da Informática virá no plano de redução de incentivos fiscais, previsto na PEC", garantiu em plenário o líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR).

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que a intenção é concluir a votação em segundo turno ainda nesta quinta-feira.

A PEC estabelece condições para a concessão do auxílio emergencial aos vulneráveis atingidos pela pandemia de Covid-19 em um montante de até de 44 bilhões de reais por fora das regras fiscais em 2021 e também traz gatilhos a serem acionados para conter despesas públicas.

Mas críticos à medida afirmam que ela se aproveita do momento de necessidade da renda assistencial temporária, gerado pela pandemia, para a concretização de medidas de ajuste fiscal de longo prazo.

"A notícia do dia hoje é a seguinte: em um ano de pandemia, preço dos alimentos sobem quase três vezes a inflação. Se o preço dos alimentos sobe, o auxílio emergencial não pode ser reduzido a um terço, como está sendo proposto nesta PEC", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).

"Nós queremos um auxílio emergencial de 600 reais para todos os brasileiros, que o receberam no ano passado. Por outro lado, queremos valorizar os servidores públicos, aqueles que atendem ao nosso povo, principalmente, mais pobre, e não lhes propiciar arrocho salarial, não demonizá-los, como o proposto nesta PEC."

O governo já sinalizou que a ajuda mensal, em quatro parcelas, deve ter valor médio de 250 reais, mas aguarda a conclusão da votação da PEC no Congresso para editar medida determinando o pagamento assistencial.