Mercado abrirá em 1 h 47 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,51
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.777,80
    +11,00 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    60.716,62
    -2.104,32 (-3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.348,98
    -31,96 (-2,31%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.018,51
    +35,01 (+0,50%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.002,25
    -11,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7300
    +0,0089 (+0,13%)
     

Câmara aprova projeto para destravar pagamentos de salários do funcionalismo

Maria Carolina Marcello e Isabel Versiani
·2 minuto de leitura
Plenário da Câmara dos Deputados

Por Maria Carolina Marcello e Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, em sessão do Congresso Nacional, projeto de lei que permite alteração "urgente" à Lei de Diretrizes Orçamentárias para o remanejamento de recursos para cobrir despesas como o pagamento de pessoal, precatórios e aposentadorias antes da aprovação do Orçamento de 2021.

Aprovado de maneira simbólica, o projeto ainda precisa ser deliberado pelos senadores em sessão do Congresso prevista para esta quarta-feira após a sessão destinada aos deputados.

Questionado nesta quarta sobre até quando o projeto teria que ser aprovado para evitar atrasos no pagamento de salários de servidores, o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, disse que o momento é "delicado", mas evitou falar em prazos.

"Me parece que a solução está sendo encaminhada e, em parceria com o Congresso Nacional, vamos resolver esse problema antes de ele ficar mais sério", afirmou a jornalistas.

A aprovação do novo projeto pelos parlamentares permitirá que o governo use superávit financeiro apurado no ano passado para cobrir parte das ações deste ano que, segundo a programação orçamentária, estariam dependendo da aprovação pelo Congresso de um crédito suplementar.

O crédito suplementar permite que o governo contorne a limitação da chamada regra de ouro, norma constitucional que proíbe que a União se endivide para cobrir gastos correntes, mas ele só pode ser autorizado pelos parlamentares com o Orçamento do ano aprovado, o que ainda não aconteceu.

Em mensagem encaminhada ao Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a lei orçamentária só poderá ser publicada na primeira quinzena de abril, muito tarde para garantir a execução necessária de despesas no mês de março.

A previsão é que a Lei Orçamentária Anual (LOA), esteja pronta para análise do plenário do Congresso Nacional no dia 24 deste mês.

O atraso na votação do Orçamento para 2021, que deveria ter sido aprovado no ano passado, tem trazido sérias restrições de gestão ao governo, com alguns órgãos apontando o risco de atrasos no pagamento dos salários de servidores. Isso porque, enquanto o Orçamento não é aprovado, só podem ser realizadas despesas obrigatórias e de "caráter inadiável" até o limite de 1/12 avos, a cada mês, do valor previsto para cada órgão no projeto orçamentário do ano.