Mercado fechará em 2 h 13 min
  • BOVESPA

    107.781,52
    -3.657,84 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.631,94
    -675,77 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,65
    -1,32 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.764,50
    +13,10 (+0,75%)
     
  • BTC-USD

    44.098,09
    -3.284,25 (-6,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.103,00
    -31,39 (-2,77%)
     
  • S&P500

    4.335,21
    -97,78 (-2,21%)
     
  • DOW JONES

    33.809,19
    -775,69 (-2,24%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.929,50
    -396,50 (-2,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2615
    +0,0621 (+1,00%)
     

Câmara aprova permissão para governo quebrar patente e produzir vacinas e remédios

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — A Câmara aprovou nesta terça projeto que autoriza o governo a quebrar patentes para produzir vacinas e medicamentos em casos de emergência nacional ou internacional. O texto prevê ainda que, caso o Executivo se omitir em adotar essa medida, o Congresso Nacional poderá aprovar um projeto nesse sentido. A proposta é de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS) e, aprovado agora pela Câmara, retorna ao Senado por ter sofrido alterações pelos deputados. Já há um acordo para que o Senado acelere a conclusão da proposta, que entrará em vigência logo que virar lei.

O texto foi aprovado no plenário por 425 a 15 e 21 partidos orientaram a favor da quebra das patentes. Apenas o Novo e a liderança do governo foram contrários.

Pelo projeto, a empresa detentora da patente receberá 1,5% do preço líquido da comercialização do produto. A quebra de patente será por um tempo determinado. O relator na Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), afirmou que se trata de uma medida para um futuro imediato e que pode ser aplicada ainda durante a epidemia da Covid-19.

— É uma possibilidade para agora, seja numa nova cepa do Covid-19 ou em outra pandemia, se e quando houver — disse o relator.

Essa concessão da licença compulsória terá validade pelo período que perdurar a declaração da emergência nacional ou do estado de calamidade, como foi declarado no país.

Aécio Neves afirmou que o país poderá quebrar patentes de vacinas e medicamentos que os laboratórios brasileiros tenham condições e capacidade de produzir.

— Temos ótimos laboratórios, como Fiocruz e Butantan, que estão demonstrando plena capacidade para produção desses insumos e das vacinas.

O titular da patente objeto da licença compulsória fica obrigado a fornecer as informações necessárias à produção, assim como todos os aspectos técnicos aplicáveis, resultados de testes e demais dados. Caso o titular não viabilize esse acesso, poderá ter negado o pedido de patente do produto ou ser declarada a nulidade de patente já reconhecida.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos