Mercado fechará em 5 h 25 min
  • BOVESPA

    109.459,11
    +615,37 (+0,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.864,25
    +306,60 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,07
    -0,22 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.776,00
    +12,20 (+0,69%)
     
  • BTC-USD

    42.668,66
    -1.323,14 (-3,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.069,47
    +5,63 (+0,53%)
     
  • S&P500

    4.363,95
    +6,22 (+0,14%)
     
  • DOW JONES

    34.068,80
    +98,33 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.975,41
    +71,50 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.023,00
    +13,50 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2435
    -0,0012 (-0,02%)
     

Câmara conclui votação do projeto do IR e define tributação sobre lucros e dividendos em 15%

·2 minuto de leitura
Plenário da Câmara dos Deputados

Por Ricardo Brito e Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - A Câmara dos Deputados concluiu nesta quinta-feira a votação do projeto que altera regras do Imposto de Renda, entregando ao Senado uma das propostas do conjunto de medidas infraconstitucionais da reforma tributária, e renovando o fôlego político do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), que atuou quase como um avalista para a votação da matéria.

Durante a análise de emendas destacadas para votações separadas nesta quinta, deputados aprovaram uma mudança no texto principal já chancelado na véspera, reduzindo a tributação sobre lucros e dividendos de 20% para 15%.

Essa foi a única alteração aprovada nas votações desta quinta, fruto de acordo costurado pelos partidos do chamado centrão com o envolvimento direto do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) nas negociações.

Lira sofreu desgaste político com os adiamentos e a retirada de pauta da proposta e trabalhou fortemente por sua votação.

Autor do destaque que reduziu a tributação sobre os lucros e dividendos, o deputado Hugo Motta (Republicanos-PB) disse esperar que a mudança permita o avanço do projeto, que agora segue para análise do Senado.

"Esse destaque para mim me orgulha porque ele é um gesto para quem carrega o Brasil nas costas, gerando emprego e renda para o setor produtivo", disse ele.

"Esperamos que essa alíquota sendo reduzida de 20% para 15% ela traga avanços significativos para a proposta", reforçou.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), defendeu a alteração e afirmou que há compromisso do presidente Jair Bolsonaro de não vetar esse ponto, caso o texto siga para sanção.

"Não haverá veto nessa matéria de cobrança de dividendos", assegurou.

Durante o debate, um dos vice-líderes do PT na Casa, o deputado Afonso Florence (PT-BA), criticou o destaque, pedindo aos colegas que não caíssem "na pressão dos tubarões da economia".

O relator da proposta, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), defendeu em plenário que se mantivesse a alíquota em 20%, patamar que havia sido definido no acordo selado com diversos partidos, incluindo a oposição. O acordo incluiu a promessa de redução do IR para pessoas físicas e a garantia de que não haverá perda de arrecadação para Estados e municípios.

Outro vice-líder do PT, Carlos Zarattini (SP), fez questão de declarar em plenário que o partido não fez parte do segundo acordo, que permitiu a redução da alíquota incidente sobre o Imposto de Renda retido na fonte dos lucros e dividendos distribuídos pelas empresas aos investidores.

"Eu quero esclarecer a quem está nos ouvindo que nós não participamos desse acordo. Esse acordo é do chamado centrão. A nossa proposta e o nosso acordo é com o relator, que defendeu e defende 20%. É um absurdo reduzir a tributação dos empresários, daqueles que ganham para pagarem menos do que o trabalhador da própria empresa", disse, lembrando que a proposta inicial da oposição era de um alíquota de 25%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos