Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.829,27
    +902,93 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.771,12
    -56,81 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,20
    -0,76 (-1,09%)
     
  • OURO

    1.981,00
    -14,90 (-0,75%)
     
  • Bitcoin USD

    27.550,90
    -685,82 (-2,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    597,33
    -21,06 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.970,99
    +22,27 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    32.237,53
    +132,28 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.405,45
    -94,15 (-1,26%)
     
  • HANG SENG

    19.915,68
    -133,96 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    27.385,25
    -34,36 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    12.922,75
    +68,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6520
    -0,0780 (-1,36%)
     

Câmara aprova ampliar prazo de pagamento do Pronampe para 6 anos

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (1º) uma medida provisória que amplia o prazo para pagamentos de empréstimos do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) de 48 meses para 72 meses.

A votação foi simbólica e nenhum parlamentar se manifestou contrário ao texto. A proposta precisa ser aprovada pelo Senado até 5 de abril, data em que a medida provisória deve perder a validade.

A MP com as novas regras para o Pronampe foi editada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) a três dias do segundo turno das eleições. O programa foi criado durante a pandemia para auxiliar micro e pequenas empresas e teve seu prazo estendido até o fim de 2024.

O relator da proposta, deputado Yuri Paredão (PL-CE), fez alterações no texto enviado pelo governo. A principal mudança foi a definição de que o empréstimo terá uma carência mínima de 12 meses.

O parlamentar ainda decidiu manter o teto para os juros do programa, que é a taxa Selic acrescida de 6%. O percentual, segundo o texto aprovado, será definido pela Secretaria de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedorismo do Ministério da Indústria.

A base do governo orientou voto favorável à proposta, mas criticou o fato de a taxa Selic ter sido atrelada aos juros do programa. A posição foi colocada na esteira das críticas que aliados do governo Lula (PT) têm feito ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, pela manutenção da Selic em 13,75%.

"Nossa intenção, evidentemente, é votar favoravelmente à matéria. A gente só está pedindo explicações ao relator sobre o atrelamento da Selic, por conta do absurdo que tem sido um presidente do Banco Central que eleva as taxas às alturas num processo de boicote evidente", disse o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ).

O relator, no entanto, disse que "não há motivo algum para desatrelar" os juros do Pronampe da Selic, que é utilizada como base para a definição das taxas pelas instituições financeiras.

O programa originalmente estabelecia uma taxa de juros anual máxima igual à Selic, acrescida de 1,25% para os contratos firmados até dezembro de 2020. Para os assinados a partir de janeiro de 2021, o teto subiu para Selic mais 6%.

No momento da edição da MP, o então ministro Paulo Guedes (Economia) justificou a iniciativa na exposição de motivos afirmando que o teto vinha "limitando a atuação" da pasta e que era necessário promover "melhor distribuição dos recursos do programa".

Isso porque o ministério havia detectado concentração das concessões de crédito do programa em pequenas empresas, enquanto microempresários e microempreendedores individuais ficaram com fatias menores das operações.