Mercado abrirá em 9 h 31 min
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.782,50
    +5,10 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    33.908,96
    +1.083,60 (+3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    811,92
    +17,59 (+2,21%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.674,46
    +364,70 (+1,29%)
     
  • NIKKEI

    28.916,68
    +32,55 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    14.297,25
    +39,00 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9130
    -0,0068 (-0,11%)
     

Cápsula de pressão negativa para tratar COVID-19? Entenda quando a ideia surgiu

·3 minuto de leitura

Quando o coronavírus SARS-CoV-2 começou a se espalhar, pesquisadores e profissionais da saúde pouco ou quase nada sabiam sobre o agente infeccioso. Nos primeiro meses da pandemia da COVID-19, inúmeros tratamentos e procedimentos foram testados, como cápsulas de oxigênio, para tratar pacientes internados em decorrência da infecção. No entanto, muitas dessas práticas forma descontinuadas e outras aperfeiçoadas.

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais um vídeo antigo, feito em maio de 2020 pela rede hospitalar amazonense Samel, descontextualizado e compartilhado como uma prática atual no tratamento de pacientes internados em decorrência da COVID-19. No vídeo feito em um hospital em Recife, pessoas defendem o uso da "cápsula Vanessa" como uma medida eficaz contra o coronavírus, já que evita o uso do respirador e pode ser responsável pela melhora do quadro do paciente instantemente.

Viraliza antigo vídeo de cápsula de pressão negativa do começo da pandemia da COVID-19 (Imagem: Reprodução/Facebook/Samel)
Viraliza antigo vídeo de cápsula de pressão negativa do começo da pandemia da COVID-19 (Imagem: Reprodução/Facebook/Samel)

Vale explicar que ventilação não invasiva (VNI) é um método adotado, através de outros procedimentos, no tratamento da COVID-19, mas é limitado para casos leves e moderados, ou seja, quando o pulmão do paciente ainda consegue extrair oxigênio do ar e injetá-lo na corrente sanguínea. Dependendo do grau da doença, é preciso levar a fonte de oxigênio para mais próximo das estruturas responsáveis pelas trocas gasosas, por isso, ocorre a intubação do doente (ventilação invasiva).

Afinal, o que seria essa cápsula de oxigênio?

Voltando para o primeiro semestre de 2020, o Brasil não possuía número suficiente de ventiladores mecânicos e ainda não existiam protocolos muito definidos para o atendimento de casos graves da COVID-19. Neste contexto, muitas técnicas foram adotadas, inclusive em caráter experimental.

Na época, uma estrutura de canos de PVC e revestida por um plástico transparente foi apelidada de “Cápsula Vanessa”. Desenvolvida pelo Instituto Transire em parceria com a Samel, a cabine também é dotada de um sistema de exaustão e de filtros que renovam o ar. Esse equipamento geraria uma pressão negativa dentro da cabine e, assim, poderia melhorar a saúde de pacientes da COVID-19.

Hoje, os potenciais benefícios clínicos do produto ainda são incertos e, segundo apurou o Estadão, a empresa responsável explica que os resultados do método ainda são preliminares e que estudos ainda estão em andamento. Nesse sentido, não foram publicados pesquisas sobre a sua eficácia e segurança contra a COVID-19. Para a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), não existem estudos científicos que comprovem a proteção efetiva oferecida pelo equipamento e nem sobre os supostos benefícios clínicos do produto

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a cápsula não é considerada um produto de saúde e, por isso, não é regulado pela agência. “O que é indicado para o tratamento/terapia médica e proporciona a melhoria do quadro clínico do paciente é a ventilação não invasiva (VNI), proporcionada por um ventilador mecânico (CPAP, BIPAP, dentre outros), que provêm fluxo contínuo de ar/oxigênio ao paciente de forma não invasiva. Tais produtos, por sua vez, devem ser regularizados na Anvisa para fins de uso em pacientes”, destaca, em nota.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos