Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.199,66
    -200,25 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

ButanVac é eficaz contra variantes Alfa, Beta e Gama, aponta estudo com animais

·3 min de leitura

Em estudos pré-clínicos, a vacina ButanVac contra a covid-19 demonstrou ser imunogênica e induzir uma produção potente de anticorpos neutralizantes, inclusive contra as variantes Alfa (B.1.1.7), Beta (B.1.351) e Gama (P.1) do coronavírus SARS-CoV-2. Em humanos, os testes já estão em andamento e são coordenados pelo Instituto Butantan, no Brasil.

Os dados sobre a eficácia da ButanVac contra a covid-19 em roedores foram publicados na revista científica Nature Communications. Além de cientistas do Butantan, assinam o artigo pesquisadores do Hospital Mount Sinai, em Nova York, do Instituto de Vacinas e Biologia Médica do Vietnã e da Organização Farmacêutica Governamental da Tailândia.

Estudo com roedores confirmou a eficácia da ButanVac contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)
Estudo com roedores confirmou a eficácia da ButanVac contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/FabrikaPhoto/Envato Elements)

Entenda o estudo

No estudo pré-clínico, os pesquisadores avaliaram a capacidade protetora da vacina ButanVac em camundongos e hamsters. Para isso, foram testados dois formatos de administração do imunizante: a primeira versão, que será produzida no Butantan, é feita com vírus inativados e aplicada por via intramuscular, e a segunda, que utiliza vírus vivos, cuja aplicação é via intranasal.

Os resultados demonstraram que o imunizante induziu a produção de anticorpos neutralizantes contra a replicação do SARS-CoV-2. Além disso, a concentração de anticorpos neutralizou as variantes Alfa, Beta e Gama. Os estudos com a variante Delta (B.1.671.2) ainda estão em desenvolvimento.

“Embora os ensaios com humanos estejam em andamento (na versão inativada no Brasil, Tailândia e Vietnã, e na versão intranasal no México), demonstramos aqui a versatilidade da vacina NDV-HXP-S em estudos pré-clínicos utilizando camundongos e hamsters, destacando sua eficácia como vacina viva ou inativada”, explicam os pesquisadores.

"Foi observado que camundongos e hamsters vacinados com a NDV-HXP-S [nome oficial da ButanVac] desenvolveram fortes respostas de anticorpos que não apenas neutralizaram o coronavírus SARS-CoV-2, mas também neutralizaram as variantes de preocupação”, apontam.

Como funciona a ButanVac?

Para imunizar contra o coronavírus, a ButanVac adota um vírus responsável pela Doença de Newcastle (DNC) — que não provoca sintomas em seres humanos, mas atinge aves — como vetor viral inativado. Dessa forma, o vírus da DNC é editado geneticamente e tem incluído no seu material genético fragmentos do vírus da covid-19 para que, assim, desencadeie uma resposta imunológica contra infecções futuras. A estratégia do vetor viral também é adotada pela Covishield (Oxford/AstraZeneca) e pela fórmula da Janssen (Johnson & Johnson).

Caso demonstre eficácia e segurança no uso humano, a ButanVac será produzida 100% em solo brasileiro a partir da inoculação do vetor viral em ovos embrionados de galinhas — mesma tecnologia da vacina contra a influenza (gripe). Anualmente, o instituto já produz 80 milhões de vacinas da gripe usando ovos.

Vale explicar que a potencial vacina é resultado de um consórcio internacional que tem, como produtores públicos, o Butantan, o Instituto de Vacinas e Biologia Médica do Vietnã e a Organização Farmacêutica Governamental da Tailândia. Além disso, a tecnologia do uso do vírus da doença de Newcastle foi desenvolvida‪ por cientistas na Icahn School of Medicine no Mount Sinai, em Nova Iorque. Já as proteínas S estabilizadas do vírus SARS-CoV-2 utilizadas na vacina, com tecnologia HexaPro, foram desenvolvidas na Universidade do Texas, em Austin.‬‬‬‬

Para acessar o estudo completo sobre a Butanvac, publicado na revista científica Nature Communications, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos