Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.011,79
    -36,50 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Butantan vai produzir 46 mi de doses da vacina da Sinovac apesar de fala de Bolsonaro, diz Dimas Covas

Por Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
.
.

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O Instituto Butantan vai produzir 46 milhões de doses da vacina da chinesa Sinovac contra Covid-19 para o Programa Nacional de Imunização, a despeito de o presidente Jair Bolsonaro ter vetado o acordo anunciado na véspera, disse nesta quarta-feira o presidente do instituto, Dimas Covas.

O presidente do Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, reiterou que espera que seja mantido o acerto com o governo federal. Disse que, de toda forma, a vacina contra Covid-19 estará disponível, mas alertou que, no caso de não haver um acordo com o ministério, "o problema vai ser o financiamento" da operação.

"O Butantan vai produzir as 46 milhões de doses que estarão disponíveis ao PNI (Programa Nacional de Imunização) no final deste ano. Se acontecer a incorporação ao PNI... essas vacinas já estarão prontas para serem distribuídas em todo país. Se isso não acontecer, elas estarão também disponíveis, a questão será do financiamento, nesse momento, que é uma questão crítica, porque obviamente essa vacina tem custo", afirmou.

Covas, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e outras autoridades participaram de uma reunião no início da tarde com diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em Brasília.

INDEPENDÊNCIA

Após o encontro, o governador de São Paulo elogiou a postura da Anvisa, classificando-a de exemplo positivo de agência regulatória independente. Disse ter saído "mais confiante" após a reunião no órgão.

"Aqui na Anvisa nós temos o bastião da esperança dos brasileiros, o papel histórico da agência está em cumprir no melhor e no menor tempo a aprovação das vacinas, incluindo a do Butantan", afirmou.

João Doria disse que o governo de São Paulo apoia vacinas, a começar pela do Butantan e destacou que o instituto paulista é o maior fornecedor de vacinas ao Ministério da Saúde há três décadas. Segundo ele, a visão do governo paulista é a visão do Brasil, de proteção dos brasileiros.

O governador paulista defendeu a posição do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que na véspera chancelou o acordo fechado para a compra das vacinas produzidas pelo instituto Butantan pela pasta. Pazuello foi desautorizado na manhã desta quarta pelo próprio Bolsonaro, que cancelou o acerto.

A decisão de Bolsonaro de desautorizar Pazuello, --ele afirmou que determinou o cancelamento do protocolo de intenções assinado pelo auxiliar-- também gerou reações de governadores e os chefes de Executivos estaduais já falam em recorrer ao Congresso e à Justiça para garantir a vacinação com todos imunizantes disponíveis. [nL1N2HC1KO]

Para Doria, a posição defendida pelo ministério e Pazuello é correta por ser baseada na ciência e na saúde dos brasileiros. Ele frisou que o ministro sempre teve uma conduta republicana, correta e técnica na proteção da vida dos brasileiros.