Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.466,24
    +3.691,67 (+3,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.927,38
    +920,22 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,37
    +0,87 (+1,31%)
     
  • OURO

    1.769,70
    +7,00 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    56.747,13
    -386,98 (-0,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.450,10
    +11,22 (+0,78%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    16.016,50
    +146,75 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3860
    -0,0608 (-0,94%)
     

Butantan testa vacina contra a dengue em humanos; confira o que sabemos

·3 min de leitura

Além das vacinas contra a gripe e a covid-19, o Instituto Butantan trabalha no desenvolvimento de outros imunizantes para o uso dos brasileiros, como uma fórmula contra a dengue. O estudo contra o vírus está na terceira e última fase antes da aprovação, com todos os voluntários já recrutados. A expectativa é que a pesquisa seja finalizada até 2024.

Com a proximidade do verão, o número de casos de dengue tende a crescer no país e este é um movimento acompanhada há muitos anos, mas de difícil solução. Afinal, barrar o avanço da doença depende do controle do mosquito Aedes aegypti, capaz de se reproduzir em locais de água parada. Em algumas regiões com falta de infraestrutura, este é um grande desafio.

Hoje, existe uma vacina contra a doença disponível no Brasil, a Dengvaxia, da farmacêutica Sanofi-Pasteur. No entanto, o uso é limitado e a fórmula não é disponibilizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Dessa forma, uma nova alternativa para a prevenção da dengue pode ser benéfica.

Em estudo de Fase 3, Butantan testa vacina tetravalente contra a dengue (Imagem: Reprodução/Mohamed Nuzrath/Pixabay)
Em estudo de Fase 3, Butantan testa vacina tetravalente contra a dengue (Imagem: Reprodução/Mohamed Nuzrath/Pixabay)

Por outro lado, somente em 2019, o Brasil registrou 1,48 milhões de casos, sendo 689 mortes. Diante desse cenário, o Butantan começou os seus estudos por uma vacina contra o vírus ainda em 2009. Em paralelo ao estudo clínico de Fase 3, o Butantan já avalia o escalonamento da vacina. Isso significa que o instituto analisa formas de elevar a produção, hoje, de ensaios em laboratório para um nível industrial.

Como a vacina funciona?

A vacina do Butantan usa a técnica de vírus atenuado (enfraquecido) contra a dengue, o que induz a produção de anticorpos sem causar a doença e com poucas reações adversas. “Sempre que se planeja fazer uma nova vacina, o ideal, quando possível, é utilizar um vírus atenuado, pois geralmente gera uma resposta mais eficiente e duradoura”, explica a gerente de projetos do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas Virais do Butantan, Neuza Maria Frazatti Gallina.

A atenuação do vírus deve ser feita pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID), um dos parceiros do Butantan na iniciativa. Estes agentes infecciosos enfraquecidos serão cultivados em células Vero do macaco verde africano. Em seguida, a matéria-prima é purificada e segue para a formulação. A última etapa é a liofilização — processo que transforma o líquido em pó — e a criação do diluente para diluir o pó no momento da aplicação da vacina.

Além disso, a fórmula deve ser tetravalente, ou seja, protegerá contra quatro tipos de dengue (tipo 1, 2, 3 e 4). Vale lembrar que as vacinas contra a gripe também são tetravalentes. Essa alternativa costuma ser válida quando diferentes variantes de um mesmo vírus, carregado com mutações, circulam pelo mesmo local.

Expectativas na luta contra a dengue

“A vacina vai ser um dos principais componentes de combate à doença, mas é importante ressaltar que não é só a vacina que vai combater a dengue. Nós temos que continuar realizando todas as outras formas de ajudar a combater o mosquito e, portanto, a transmissão da dengue”, lembra o diretor do Centro de Segurança Clínica e Gestão de Risco, Alexander Precioso.

“As pessoas vacinadas vão evitar hospitalizações e mortes e isso vai tornar a dengue controlada no país”, explica Neuza. “Em qualquer situação é importante agir na prevenção. Na saúde pública, a prevenção de doenças é feita principalmente com vacinas”, completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos