Mercado abrirá em 3 h 2 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,58
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.722,70
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    49.145,18
    +2.008,44 (+4,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    988,64
    +1,99 (+0,20%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.608,03
    +19,50 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.205,50
    -74,25 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7721
    -0,0235 (-0,35%)
     

Butantan priorizará outros países se ministério não manifestar interesse por lote adicional de vacinas

Eduardo Simões
·2 minuto de leitura
Vacinação contra Covid-19 no Brasil

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O Butantan priorizará outros países no fornecimento de doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, caso o Ministério da Saúde não manifeste até o final desta semana seu interesse de exercer a opção de comprar mais 54 milhões de doses do imunizantes, prevista em contrato, disse nesta quarta-feira o presidente do Butantan, Dimas Covas.

Covas disse, em entrevista no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, que considera resolvida a questão da chegada de insumos da China para o envase de doses da CoronaVac nas instalações do Butantan e disse que o cronograma acertado com o ministério, de entrega de um total de 46 milhões de doses até abril, será cumprido.

"Eu oficiei o ministério na semana passado, aguardo até o final desta semana uma resposta, porque na semana que vem eu vou fechar os contratos com os países, começando pela Argentina", disse o presidente do Butantan.

"Vai ser importante que haja essa manifestação para que lá na frente não se possa alegar que não houve essa oferta, a oferta que está sendo feita via contrato, via ofício e de público, que vocês estão aqui como testemunhas", acrescentou.

Após uma demora na chegada de insumos da China, devido à necessidade de autorização do governo chinês, o Butantan espera para a quarta-feira da próxima semana a chegada de matéria-prima para o envase de 8,6 milhões de doses da CoronaVac. Covas disse esperar que os demais lotes cheguem ao país "muito rapidamente".

"A questão da matéria-prima na minha opinião está resolvida com a chegada da primeira partida já na próxima semana e a notícia que nós temos é que os embarques sucessivos também irão acontecer muito rapidamente", disse.

O Butantan fechou acordo com o Ministério da Saúde para o fornecimento de 46 milhões de doses da CoronaVac até abril com a opção de 54 milhões de doses adicionais, caso o Ministério da Saúde manifeste interesse.

"Nós já estamos produzindo essas 46 (milhões de doses), com a chegada da matéria-prima isso vai acontecer muito rapidamente, então vamos cumprir o cronograma com a possibilidade de adiantamento desse cronograma", disse Covas.

O presidente do Butantan, ao mesmo, tempo cobrou uma resposta rápida do Ministério da Saúde sobre se pretende exercer a opção por mais doses.

"Nós precisamos agora da definição das 54 milhões adicionais... Agora, o tempo neste momento é fundamental. Todos os países aos quais o Butatan tem a obrigação de fornecimento de vacinas, que são aqui da América Latina e aqui da América do Sul, estão cobrando os cronogramas. Nós precisamos dar respostas a esses países e dependemos dessa resposta do ministério", disse.

"Não havendo a manifestação do ministério, nós vamos dirigir a nossa produção aos países, inclusive com a possibilidade de aumentar a oferta de vacina, porque existe uma demanda muito grande neste momento."