Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    62.223,09
    +2.784,19 (+4,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Butantan fecha acordo para fornecer 2,5 milhões de doses da CoronaVac a estados

·2 minuto de leitura

O Instituto Butantan pode ter encerrado o contrato que previa a entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac ao governo federal, mas a produção e a distribuição da vacina continuam. O centro anunciou novos acordos de fornecimento para governos estaduais.

O instituto confirmou um acerto com os governos do Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Pará e Piauí para fornecer um volume de 2,5 milhões de doses da CoronaVac.

Mais especificamente, o Pará receberá a maior parte dessas doses, com 1 milhão. Já Espírito Santo e Mato Grosso contrataram 500 mil. O Ceará, por sua vez, receberá 300 mil, e o Piauí, 200 mil.

Sem o acordo com o governo federal, o Butantan fica livre para começar a firmar mais acordos de distribuição. Além de acordos diretos com os estados, o instituto já declarou que pode fornecer a CoronaVac para os demais países da América Latina.

Doses confiscadas

O Butantan ainda lida com uma questão com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) relacionada a lotes da CoronaVac que vieram importadas da China. A agência determinou a apreensão das vacinas, que foram processadas em uma fábrica que não havia sido previamente inspecionada.

Quando questionado sobre o tema em coletiva, Dimas Covas, presidente do Butantan, disse que se não houver liberação das doses, elas podem ser doadas a outros países que estejam precisando.

“Nós vamos aguardar para dar o destino adequado a essas vacinas. Não estando descartada a possibilidade de doação dessas vacinas para países aqui da América Latina. É uma vacina que não tem problema de qualidade, isso já está mais do que atestado”, afirmou ele.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos