Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.998,50
    -831,11 (-1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Butantan estuda possível aplicação de uma terceira dose da CoronaVac

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

Na última segunda-feira (12), de acordo com um preprint que avaliou a eficácia da CoronaVac, pesquisadores concluíram que a vacina apresenta eficácia de 50,7% para casos sintomáticos, chegando a 62,3% de eficácia sob um intervalo superior a 14 dias entre as duas doses. E nesta semana o Butantan trouxe à tona uma possibilidade até então inédita: a necessidade de uma terceira dose.

Quem levantou olhares para essa possibilidade foi o diretor médico de pesquisa clínica do Instituto Butantan, Ricardo Palacios. Segundo ele, há estudos em torno dessa questão. "Existem grandes preocupações sobre como melhorar a duração da resposta imune, e uma das alternativas que tem sido considerada é uma dose de reforço, seja com a própria CoronaVac, seja com outros imunizantes", afirmou o diretor.

Além do estudo mencionado pelo diretor médico de pesquisa clínica, também existe um estudo voltado para a possibilidade de uma combinação de imunizantes com a própria ButanVac (uma vacina que atualmente está sendo desenvolvida pela instituição, que espera a aprovação da Anvisa para realizar testes em humanos). "Possivelmente a combinação dessas vacinas conseguirá melhorar a duração da resposta imune, dar um reforço adicional", reiterou Palacios.

Instituto Butantan estuda possível aplicação de uma terceira dose da vacina contra a COVID-19 CoronaVac (Imagem: Rawpixel)
Instituto Butantan estuda possível aplicação de uma terceira dose da vacina contra a COVID-19 CoronaVac (Imagem: Rawpixel)

Palacios reforçou a recomendação médica aos serviços de saúde sobre o intervalo de 28 dias entre as doses da CoronaVac, sendo que antes o intervalo recomendado entre as doses era de 14 dias.

Em entrevista ao Canaltech em janeiro deste ano, o Dr. Bernardo Almeida — médico infectologista e Chief Medical Officer do laboratório de análises clínicas Hilab — esclareceu que a CoronaVac é "uma vacina para SARS-CoV-2 constituída por vírus inativado. É uma metodologia bastante consolidada para outras doenças como a poliomielite e a influenza. O vírus composto na vacina é incapaz de gerar infecção, pois está morto. Porém, é capaz de gerar resposta imune semelhante à infecção, gerando proteção ao indivíduo quando houver exposição futura ao vírus", e que "a segunda dose é capaz de amplificar a resposta imune, aumentando a eficácia da vacinação. Além disso, provavelmente aumenta o prazo de imunidade ao longo do tempo".

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: