Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.620,40
    -27,59 (-0,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.709,61
    -88,77 (-0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,34
    +0,06 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.764,50
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    61.377,12
    +1.337,47 (+2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.435,18
    -16,46 (-1,13%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.291,25
    +156,75 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4069
    +0,0031 (+0,05%)
     

Butantan conclui entrega de 100 milhões de doses da CoronaVac; e agora?

·3 minuto de leitura

Na quarta -feira (15), o Instituto Butantan entregou ao Ministério da Saúde mais 6,9 milhões de doses da vacina CoronaVac contra a covid-19. Dessa forma, foi encerrado o contrato para o fornecimento de 100 milhões de doses do imunizante contra o coronavírus SARS-CoV-2 ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) e, agora, levanta dúvidas sobre o futuro da fórmula.

“O Butantan, o primeiro a entregar vacinas ao Brasil em janeiro, é o primeiro também a concluir o seu contrato de 100 milhões de doses”, afirmou o presidente do Butantan, Dimas Covas, durante coletiva de imprensa. No entanto, nem todas as pendências com o PNI estão resolvidas.

Isso porque existem alguns lotes da CoronaVac em "quarentena", já que foram enviados imunizantes da China para o Brasil, vindos de fábricas não inspecionadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por causa disso, os agentes da Anvisa ainda devem embarcar para o país asiático, verificar as condições de produção da vacina e, posteriormente, autorizar o uso dessas doses.

“Como é um processo que pode demorar, nós começamos a substituição das doses, porque o que importa é que as vacinas sejam aplicadas o mais rapidamente possível”, explicou Covas. Nesse caso, serão enviadas doses de fábricas já aprovadas, substituindo as vacinas que não estão autorizadas. A expectativa é que toda a troca ocorra até o final deste mês.

Futuro da CoronaVac

Sem previsão de novos contratos, Butantan planeja exportar a vacina CoronaVac (Imagem: Reprodução/Luciana Zaramela/Canaltech)
Sem previsão de novos contratos, Butantan planeja exportar a vacina CoronaVac (Imagem: Reprodução/Luciana Zaramela/Canaltech)

Com o fim do contrato com a Saúde, não há previsão de um novo pedido por doses da CoronaVac pelo governo federal. Inclusive, a pasta não recomenda, oficialmente, o uso deste imunizante como dose de reforço para idosos ou pessoas imunossuprimidas. No entanto, outros estados, como São Paulo, questionam a recomendação e adotam a fórmula como terceira dose.

De acordo com Covas, a incorporação da vacina do Butantan como reforço pelo Ministério da Saúde permitiria a antecipação do calendário de aplicação da segunda dose e um maior número de pessoas 100% imunizadas no país. Afinal, estariam disponíveis mais marcas de imunizantes, além da fórmula da AstraZeneca e da Pfizer.

Só que sem esse interesse, está em aberto o destino da produção de doses da CoronaVac pelo Butantan e, principalmente, o futuro do imunizante. Anteriormente, Covas disse: "Temos outros contratos a serem concluídos, outros estados e outros países”. Dessa forma, é provável que o imunizante seja enviado para outras nações. Por enquanto, os planos de exportação do Butantan não foram compartilhados.

CoronaVac em crianças

Outra possibilidade seria a adoção da CoronaVac na imunização de crianças e adolescentes, de três a 17 anos. Segundo o Butantan, a fórmula "já foi utilizada em mais de 60 milhões de crianças" na China. Além disso, Chile, África do Sul e Indonésia também adotam a fórmula para o público pediátrico. “Os dados de segurança da vacinação nessa população indicam que é a vacina mais segura entre todas as que estão sendo utilizadas no mundo nesse momento”, defendeu Covas.

No entanto, a Anvisa, após analisar todos os dados enviados pelo Butantan, concluiu que faltavam informações e a quantidade de voluntários incluídos nos estudos era baixa para que se atestasse a segurança e a eficácia da CoronaVac nas crianças. Dessa forma, o pedido foi negado, mas agentes da Anvisa informaram que, com mais dados, o parecer poderia ser revisto.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos