Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.139,78
    -400,02 (-0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.387,18
    +704,99 (+1,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,25
    +1,50 (+2,51%)
     
  • OURO

    1.713,20
    -20,40 (-1,18%)
     
  • BTC-USD

    50.616,21
    +3.137,62 (+6,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.012,06
    +23,96 (+2,43%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.674,50
    -380,75 (-2,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7794
    -0,0827 (-1,21%)
     

Butantan começa produção de 1 milhão de doses da CoronaVac a cada 24 horas

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

O Instituto Butantan vem se mostrando empenhado em produzir a CoronaVac, vacina contra o coronavírus, com mais agilidade. De acordo como instituto, atualmente, existe uma equipe que conta com trezentos funcionários atuando em turnos de 12 horas para a fabricação do imunizante 24 horas por dia, sem interrupção.

A fábrica chegou a ficar parada por três semanas, por sofrer com a falta de insumos, mas voltou a todo vapor para entregar um total de 3,9 milhões de doses ao Ministério da Saúde, 500 mil a mais do que o plano original. O Butantan conta com capacidade para produzir um milhão de doses da vacina contra a COVID-19 por dia, planejando ainda duplicar a fabricação entre os meses de abril e maio, após finalizar o envase das vacinas contra a gripe comum (influenza).

<em>Imagem: Reprodução/Governo de São Paulo</em>
Imagem: Reprodução/Governo de São Paulo

Acesso restrito

Nas fábricas do Instituto Butantan, o acesso aos insumos de fabricação da vacina e do imunizante pronto é bastante restrito. O funcionário precisa passar por um esquema de segurança envolvendo um sistema de reconhecimento facial e uma porta de chumbo. Primeiro, é preciso mostrar o crachá para um sensor e, logo depois, remover a máscara de proteção apenas para que o sistema faça a detecção do rosto.

Na sequência, o funcionário passa por uma grande porta de chumbo que pesa duas toneladas e, finalmente, está em uma sala com a temperatura em 5 ºC que mantém as doses e os insumos lacrados em caixas de alumínio. Os equipamentos de proteção envolvem um macacão branco, dois protetores para os sapatos, duas máscaras de proteção, um protetor de barba, se for o caso, e uma touca para os cabelos.

<em>Imagem: Reprodução/Governo de São Paulo</em>
Imagem: Reprodução/Governo de São Paulo

Os funcionários que estão trabalhando na fabricação da CoronaVac já receberam a primeira dose da vacina com a autorização do governo, considerando se tratar de pessoas que estão na linha de frente na luta contra a doença.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: