Mercado abrirá em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,16
    +0,78 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.766,60
    -4,00 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    55.112,88
    -1.845,48 (-3,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.239,80
    -59,16 (-4,55%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.957,63
    -42,45 (-0,61%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.908,75
    +11,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6937
    +0,0180 (+0,27%)
     

Butantan anuncia vacina nacional contra COVID-19 e quer iniciar testes

Felipe Demartini
·3 minuto de leitura

O Butantan anunciou nesta segunda-feira (26) a criação da Butanvac, uma vacina contra o COVID-19 de fabricação totalmente nacional. Já nesta semana, o instituto solicitou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a autorização para iniciar os testes do imunizante já em abril; caso as pesquisas recebam aval positivo, a ideia é começar a fabricação em maio e entregar 40 milhões de doses a partir de julho.

A opção nacional chega com a promessa de entregar uma resposta imune maior do que outras opções disponíveis no mercado, com direito, inclusive, à proteção contra a variante brasileira P1. Além disso, o Butantan afirma que a fabricação do imunizante é mais barata e rápida, já que utiliza o mesmo processo que a vacina contra a gripe, que já é aplicada há anos em grandes campanhas ao redor do Brasil.

Anunciada apenas agora, a Butanvac é resultado de um trabalho que aconteceu ao longo de todo o ano passado — o anúncio, inclusive, acontece no primeiro aniversário das pesquisas, que começaram em 26 de março de 2020. De acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, amostras do imunizante foram enviadas a outros países, que participaram da fase pré-clínica — os testes com animais na Índia, por exemplo, tiveram resultados citados como excelentes. Vietnã e Tailândia também participaram destes estudos.

Os resultados, entretanto, não foram apresentados durante a coletiva de imprensa que anunciou o imunizante, mas o governo de São Paulo disse que vai compartilhar os dados com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Anvisa. Segundo Covas, a expectativa é que a agência entenda a urgência no início da produção em massa destes imunizantes e autorize a solicitação para início dos testes clínicos com celeridade — as doses da Butanvac, ainda que estejam prontas a partir de maio, só podem ser aplicadas após avaliação positiva do órgão.

<em>O governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva de anúncio da Butanvac; imunizante nacional será produzido de forma paralela à Coronavac, sem interferir em sua produção (Imagem: Divulgação/Governo de São Paulo)</em>
O governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva de anúncio da Butanvac; imunizante nacional será produzido de forma paralela à Coronavac, sem interferir em sua produção (Imagem: Divulgação/Governo de São Paulo)

De acordo com o cronograma do Butantan, a ideia é realizar os testes de fase 1 e 2 da vacina assim que sair o aval da Anvisa. Nas primeiras etapas, serão 1.800 voluntários, de forma a entender a segurança do imunizante e avaliar sua resposta imune. Na sequência, a Butanvac segue para a terceira etapa, com até nove mil pessoas e voltada para estipular a eficácia da vacina no combate ao novo coronavírus.

Fabricação paralela

A ideia do Butantan é que a vacina nacional atenda não apenas ao nosso país, mas também seja fornecida a nações de baixa renda, nas quais um imunizante de valor mais baixo e resposta imune alta é bastante necessário. O Instituto é parte de um consórcio internacional de fabricantes de vacinas e parte de um esforço global para frear a pandemia da COVID-19.

Além disso, segundo Covas, a produção da Butanvac não vai interferir no cronograma de fabricação da Coronavac, do Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, que a partir de julho, serão produzidas em unidades diferentes. De acordo com ele, no segundo semestre, os trabalhos com o imunizante serão realizados em uma fábrica própria, cuja construção está sendo finalizada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: