Mercado fechará em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    109.177,17
    -2.262,20 (-2,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,93
    -701,78 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,05
    -0,92 (-1,28%)
     
  • OURO

    1.758,50
    +7,10 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    43.916,07
    -3.511,77 (-7,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.095,50
    -38,88 (-3,43%)
     
  • S&P500

    4.371,21
    -61,78 (-1,39%)
     
  • DOW JONES

    34.161,76
    -423,12 (-1,22%)
     
  • FTSE

    6.874,56
    -89,08 (-1,28%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.125,50
    -200,50 (-1,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2405
    +0,0411 (+0,66%)
     

Busca por crédito aumentou quase 80% na pandemia

·1 minuto de leitura
Credit card online shopping payment
Cartao de crédito foi a modalidade mais usada pelos brasileiros (Getty Image)
  • O recurso foi essencial garantir a compra de produtos básicos 

  • Pessoas com menor renda tiveram mais dificuldade em conseguir cartões e empréstimos 

  • Homens conseguiam limites 40% maiores em relação às mulheres

Para garantir produtos essenciais, como alimentos e itens de higiene pessoal, 79% dos brasileiros utilizaram alguma fonte de crédito. O cartão de crédito foi a principal escolha dos consumidores, sendo escolhido por 62% da população. 

Leia também:

As modalidades de empréstimo foram a solução para problemas financeiros que surgiram durante a pandemia, como aponta dados da pesquisa realizada pela Serasa em parceria com a Opinion Box.

Contudo, o acesso ao crédito não foi simples. Dos que buscaram pela opção, 37% tiveram o pedido negado. Para conseguir pagar as contas, mais de um terço dessas pessoas recorreram a bancos digitais. 

Outros 27% pegaram dinheiro emprestado com amigos, enquanto 28% desistiram da busca. 

Renda baixa foi a principal razão da recusa de empréstimo e crédito. Dos entrevistados, 40% ganhavam pouco ou nada e 35% estavam inadimplentes. 

Gênero foi um fator determinante para a determinação dos valores concedidos. Enquanto homens possuíam, em média, R$ 3,6 mil de limite, mulheres conseguiam valores 40% mais baixos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos