Mercado abrirá em 2 h 48 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,41
    +0,84 (+1,28%)
     
  • OURO

    1.771,70
    -12,60 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    57.002,06
    +84,07 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.452,33
    -16,75 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.121,60
    -47,08 (-0,66%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.947,50
    +77,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4085
    -0,0383 (-0,59%)
     

Buraco negro recém-descoberto na galáxia vizinha pode ser uma estrela comum

·3 min de leitura

Há uma semana, as notícias sobre a descoberta de um pequeno buraco negro encontrado fora da Via Láctea, na Grande Nuvem de Magalhães, repercutiu na comunidade científica e na mídia. Mas, agora, um novo estudo mostra que, talvez, o objeto seja apenas uma estrela comum. Como os astrônomos poderiam confundir uma estrela brilhante com um objeto invisível? Bem, essa não é a primeira vez que um caso como este acontece.

De acordo com a pesquisa original, o buraco negro teria 11 vezes a massa do nosso Sol e, com seu campo gravitacional, exerceria sua influência na órbita de uma estrela companheira de cinco massas solares. O sistema fica no NGC 1850, um aglomerado com milhares de estrelas localizado a cerca de 160 mil anos-luz de distância da Terra, na galáxia vizinha Grande Nuvem de Magalhães.

Acontece que, em um sistema binário tão distante, é muito complicado distinguir entre dois objetos. Por isso, todas essas deduções são feitas a partir de um cálculo muito crítico: a massa da estrela principal, que orbita o suposto buraco negro. A primeira equipe assumiu que era uma estrela normal e usou suas cores para determinar sua massa, o que por sua vez permite calcular outras características. Mas talvez não seja uma estrela normal.

(Imagem: Reprodução/ESO/NASA/ESA/M. Romaniello)
(Imagem: Reprodução/ESO/NASA/ESA/M. Romaniello)

O novo estudo mostra que o cálculo da massa, ou melhor, o método, provavelmente não está correto. A segunda equipe usou um método diferente para obter a massa da estrela primária, uma relação entre a densidade e seu período orbital — que é de cinco dias. Eles também usaram o aspecto da estrela, que adquire um formato de “gota” porque o objeto secundário está “sugando” sua matéria. O tamanho que essa “gota” pode ter é conhecido como lóbulo de Roche

Lóbulo de Roche é, na verdade, a região do espaço ao redor de uma estrela onde o material pode permanecer vinculado a ela. Se a expansão estelar (no caso de uma gigante vermelha, por exemplo, cujas camadas externas se expandem) ultrapassa o seu lóbulo de Roche, o material fora do lóbulo cairá na outra estrela. Ao medir o lóbulo de Roche da estrela primária alvo do estudo, os astrônomos podem obter a densidade e o raio do objeto, o que nos leva, enfim, à sua massa real.

Essa foi a abordagem adotada neste novo estudo, e a massa que eles encontram é muito menor que a primeira: 0,65 a 1,65 vezes a massa do Sol, e não 5 massas solares. Essa diferença pode mudar todas as demais deduções sobre o sistema. Se a estrela primária é menos massiva, então a secundária também tem que ser, ou as características orbitais medidas estariam erradas. Assim, o artigo aponta que a massa do objeto secundário é de 3,5 até 5 massas solares.

(Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser)
(Imagem: Reprodução/ESO/M. Kornmesser)

Embora essas medidas não excluam um buraco negro, elas o tornam muito menos provável. Além disso, o buraco negro deveria emitir raios-X por causa da matéria da estrela principal sendo “devorada”. No entanto, quase nenhuma emissão de raios-X foi detectada. A nova explicação faz sentido e é mais provável, portanto a possibilidade de ser um buraco negro fica um pouco mais distante, no ponto de vista científico.

Claro, novos estudos podem ser realizados para saber mais detalhes sobre o sistema — e é justamente por isso que erros também são bem-vindos; eles permitem que se aprenda mais sobre objetos difíceis como este. O artigo está disponível no arXiv.org.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos