Mercado fechará em 6 h 10 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,75
    -0,13 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.930,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.539,22
    -252,78 (-1,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,58
    -7,73 (-1,42%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.843,63
    +23,47 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.697,25
    -149,50 (-1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5447
    +0,0550 (+1,00%)
     

Buraco na camada de ozônio deve crescer após erupção de vulcão em Tonga

Apesar de ter diminuído significativamente nos últimos anos, o buraco da camada de ozônio deve registrar um aumento no futuro próximo. O processo é consequência da massiva erupção do vulcão submarino Hunga Tonga-Hunga Ha’apai, localizado no Oceano Pacífico, em janeiro de 2022.

Com tantos cenários pessimistas em relação às mudanças climáticas e a falta de políticas efetivas para pará-las, casos de sucesso merecem ser exaltados. Um deles foi a recuperação do buraco na camada de ozônio: desde a proibição global dos clorofluorcarbonetos (CFCs), no final da década de 80, o filtro contra radiação UV na atmosfera da Terra vem se regenerando em um bom ritmo.

A erupção recorde do vulcão submarino, porém, vai deixar um leve atraso nesse processo. O evento foi a maior erupção registrada com a tecnologia moderna e sua pluma chegou a cerca de 58 quilômetros de altitude, alcançando a mesosfera — terceira camada da atmosfera terrestre. A quantidade de água lançada como consequência foi tão grande que a quantidade dessa substância na estratosfera — onde está a camada de ozônio — aumentou em 10%.

Evolução do buraco na camada de ozônio (Imagem: ECMWF)
Evolução do buraco na camada de ozônio (Imagem: ECMWF)

Segundo especialistas, o efeito da água será um resfriamento da estratosfera em baixas latitudes nos próximos anos, que vai criar um ambiente propício para os CFCs agirem sobre o ozônio. Como estas substâncias têm um tempo de vida superior a 50 anos, os mesmos gases que foram emitidos antes de sua proibição ainda estão presentes.

O aumento decorrente da erupção ainda não foi observado em 2023, mas cientistas esperam que no próximo verão na Antártida ele já apareça. De qualquer forma, o crescimento será temporário e não preocupa os especialistas, já que a tendência é que o buraco na camada de ozônio volte a fechar e esteja quase totalmente recuperado por volta de 2060.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: