Mercado fechará em 1 h 33 min
  • BOVESPA

    122.184,40
    +1.835,60 (+1,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.225,63
    +333,35 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,17
    -0,19 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.836,50
    +6,60 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    35.741,93
    -316,95 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    695,09
    -40,05 (-5,45%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.862,77
    +288,91 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.242,21
    -276,97 (-0,97%)
     
  • NASDAQ

    12.811,00
    +8,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3613
    -0,0313 (-0,49%)
     

Bullard, do Fed, espera continuidade da recuperação econômica à medida que as vacinas são distribuídas

·1 minuto de leitura
Presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard

(Reuters) - O presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, afirmou nesta quinta-feira esperar que a recuperação econômica dos Estados Unidos continue neste ano, sustentada por um apoio monetário e fiscal maciço e pela distribuição de vacinas contra o coronavírus.

"A chegada antecipada de vacinas sugere que a pandemia global diminuirá durante o primeiro semestre de 2021", disse Bullard em comentários preparados para entrega à Câmara Regional de Little Rock, em Arkansas.

Embora ainda permaneça algum risco negativo, acrescentou ele, "os recursos agregados disponíveis para financiar o consumo continuam excepcionalmente altos, sugerindo uma recuperação contínua no primeiro semestre de 2021".

A avaliação otimista reflete a visão de longa data de Bullard de que a economia se adaptou melhor do que o esperado ao impacto da pandemia, que piorou nos últimos meses. Os formuladores de política monetária do Fed sinalizaram que esperam manter a política monetária acomodatícia por anos, a fim de alimentar a recuperação e fazer com que a inflação atinja a meta de 2% do banco central dos EUA.

Os apoios fiscal e monetário têm sido "excepcionalmente eficazes" e, de fato, são calibrados para um choque ainda maior do que o que ocorreu, disse Bullard.

"Como resultado, a recuperação do mercado de trabalho dos EUA está quatro anos à frente de onde estava após a recessão de 2007-2009", disse ele, acrescentando que as expectativas de inflação também estão subindo.

(Por Ann Saphir)