Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,29
    -1,00 (-1,33%)
     
  • OURO

    1.736,90
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    41.742,14
    -780,00 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,52
    -26,62 (-2,52%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.301,12
    -199,27 (-0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.399,24
    -784,72 (-2,60%)
     
  • NASDAQ

    14.826,75
    +62,00 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3435
    +0,0009 (+0,01%)
     

Bullard diz que Fed deveria começar a reduzir estímulo este ano, segundo FT

·1 minuto de leitura
James Bullard, presidente do Fed de St. Louis

(Reuters) - O Federal Reserve deveria avançar com o plano de reduzir seu forte programa de estímulo apesar da desaceleração na criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos no mês passado, afirmou o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, em entrevista ao Financial Times.

Bullard rejeitou preocupações de que a recuperação do mercado de trabalho estaria vacilando mesmo depois de a economia dos Estados Unidos ter criado o menor número de vagas em sete meses em agosto, depois de estagnação nas contratações dos setores de lazer e hotelaria devido ao ressurgimento das infecções por Covid-19.

"Há muita demanda por trabalhadores e há mais abertura de vagas do que trabalhadores desempregados", disse Bullard na entrevista publicada nesta quarta-feira.

"Se conseguirmos combinar esses trabalhadores com as vagas e controlar melhor a pandemia, com certeza teremos um mercado de trabalho bastante forte para o próximo ano", disse ele ao jornal.

Bullard afirmou no final de agosto que gostaria que o banco central começasse a reduzir suas compras de ativos em breve e encerrasse essas compras até o primeiro trimestre do próximo ano.

"O quadro geral é que a redução de estímulos vai começar este ano e acabar em algum momento do primeiro semestre do próximo ano", disse ele ao Financial Times.

(Reportagem de Aakriti Bhalla e Kanishka Singh em Bengaluru)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos