Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.437,43
    +554,80 (+1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Bulgária convive com incerteza energética sem gás russo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Estação de compressão de gás da Bulgartransgaz em Ihtiman, Bulgária, em 5 de maio de 2022 (AFP/Nikolay DOYCHINOV) (Nikolay DOYCHINOV)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Em um labirinto de grandes tubulações amarelas que emergem da terra, o gás russo chega em abundância até a Bulgária, mas o país está sendo punido por Moscou por se negar a pagar em rublos e não pode ter acesso ao recurso.

Em tese, a suspensão das entregas da gigante Gazprom, em 27 de abril, não mudou nada na estação de compressão de Ihtiman, localizada a 60 quilômetros da capital Sofia.

O gás segue fluindo, a única diferença importante para este país, que depende em 90% do gás russo, é que agora o hidrocarboneto segue direto para a Grécia ou para a Macedônia do Norte.

Tanto Bulgária como Polônia se negaram a ceder à demanda do governo russo de pagar em rublos devido às sanções ocidentais contra a Rússia pela guerra na Ucrânia e a empresa russa reagiu fechando o acesso ao gás.

No resto da União Europeia (UE), os pagamentos estão previstos para meados de maio e espera-se que haja mais cortes no abastecimento.

- "Como pagar?" -

O governo búlgaro qualificou a situação como "chantagem" e insistiu que há "outras opções" disponíveis para fazer frente às necessidades do país, que ascendem a quase 3 bilhões de metros cúbicos de gás.

As empresas, no entanto, temem que haja problemas de abastecimento e uma alta dos preços nesse país da UE, que é um dos mais pobres do bloco, onde a inflação bate recordes.

"Estamos no limite", queixou-se Valeri Krastev, proprietário de uma fábrica de pão da cidade de Montana, no norte do país, que se pergunta como vai pagar as pessoas se os preços voltarem a subir.

Este país, tradicionalmente muito próximo a Moscou, é dirigido pelo primeiro-ministro pró-europeu Kiril Petkov, que prometeu acelerar a busca de novas fontes de abastecimento.

Nos últimos dias, foi à Grécia para inspecionar os trabalhos de um novo gasoduto que permitirá que a Bulgária receba gás azeri em grandes quantidades. Também se reuniu com líderes romenos para analisar um projeto eólico no Mar Negro.

- Reservas para 42 dias -

O governo também está em negociações para comprar gás natural liquefeito dos Estados Unidos e do Egito, um hidrocarboneto muito cotado na Europa como uma alternativa ao gás russo.

A Bulgária tem um depósito de reserva em Chiren para fazer frente a grande parte do consumo durante 42 dias, segundo Vladimir Malinov, um alto funcionário do operador Bulgartransgaz.

No momento, o bom tempo primaveril reduziu o impacto nos lares búlgaros, alguns dos quais ainda recordam de um longo corte de gás em janeiro de 2009, na pior parte do inverno, devido a uma disputa entre Rússia e Ucrânia.

Existe um projeto para diversificar o abastecimento, mas não está avançando desde então.

A decisão da Gazprom é "uma ocasião inédita" para se libertar da dependência dos hidrocarbonetos russos, avaliou Martin Vladimirov, do Centro de Estudos sobre a Democracia, com sede em Sófia.

Mas esse projeto não pode ser realizado em um dia, especialmente devido a uma manobra russa que, segundo o especialista, buscaria substituir a companhia nacional búlgara de gás por outros intermediários mais caros. Neste sentido, Vladimirov apontou que a empresa húngara MET, que negocia as novas entregas, é próxima à russa Gazprom.

"No final, poderíamos terminar com uma dependência ainda maior com piores condições contratuais" e com gás russo, advertiu.

ds-anb/roc/an/jvb/dd

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos