Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,72
    +0,44 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.815,90
    -20,20 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    54.562,56
    -2.187,09 (-3,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.479,40
    -84,43 (-5,40%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    12.965,25
    -380,75 (-2,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4055
    +0,0601 (+0,95%)
     

Buenos Aires vive dia de protestos por confusão sobre volta às aulas

SYLVIA COLOMBO
·3 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Já não era hora de criança estar acordada na noite deste domingo (18), quando o chefe de governo da cidade de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, um opositor do governo nacional, anunciou que haveria aulas presenciais nesta segunda-feira (19) na região metropolitana de Buenos Aires. A permissão da volta às escolas foi possível devido a uma liminar na Justiça que favorece o governo local e contraria a determinação do presidente Alberto Fernández, feita por meio de um decreto de necessidade e urgência. O mandatário havia mandado suspender as aulas por duas semanas, além de estabelecer um toque de recolher (das 20h às 6h) por conta do aumento de casos de coronavírus na Argentina. O país vive o que especialistas consideram ser uma segunda onda, com um total de 2.714.475 contágios e 59.476 mortes, segundo dados oficiais. Nas primeiras horas da manhã, o ambiente em Buenos Aires era de confusão. Havia trânsito, já que o transporte público limitado a trabalhadores essenciais levou mais carros às ruas. Em algumas escolas, os alunos apareceram de forma massiva para ter aulas. Nem todos os professores acataram a decisão do governo da cidade e preferiram se ater ao decreto presidencial. Alguns sindicatos declararam greve, até que se esclareça a situação. Assim, os pátios de algumas escolas estiveram cheios de alunos que não tinham professores. Em outras, que decidiram também acatar o decreto, pais realizaram "abraços", cercando a área dos colégios com bandeiras da Argentina e cartazes a favor da volta às aulas. Por volta de meio-dia, foi realizado um buzinaço com ônibus escolares em frente à residência oficial do presidente. No fim do dia, também houve aglomeração de pais e filhos no local, pedindo o reestabelecimento das atividades escolares. O governo nacional criticou a decisão da Justiça e irá apelar para que as aulas sejam novamente interrompidas. "Uma medida sanitária do governo nacional não pode ser suspensa por um tribunal de Buenos Aires, que é um fórum local, sem competência para resolver questões federais", disse o ministro da Justiça, Martín Soria. A novela, agora, segue na Corte Suprema de Justiça, que analisará o caso e determinará se as aulas voltam ou não. Apesar de não haver prazo máximo para decidir sobre a questão, uma das juízas, Elena Highton, afirmou que tem pressa e que ditará uma sentença em cinco dias. O governo de Alberto Fernández tem adotado uma série de medidas para tentar conter o espalhamento do vírus. Bares e restaurantes, por exemplo, não podem mais funcionar entre 23h e 6h. Apenas trabalhadores essenciais podem circular nesse período do dia, e o transporte público voltou a ficar limitado a esse grupo, composto por pessoas da área da saúde, do comércio e da indústria de alimentos e de combustível, além de políticos, diplomatas e jornalistas. As viagens em grupo também foram proibidas após uma série de casos de jovens contaminados em excursões de formatura para o México e para Bariloche. A Argentina já havia reduzido a entrada e a saída do país para apenas 2.000 pessoas por dia e suspendido voos com Brasil, México, Chile e Reino Unido. As atividades sociais em domicílios e em espaços públicos com até 20 pessoas foram proibidas, e o funcionamento de cassinos, bingos, discotecas e salões de festas está suspenso. Essas medidas valem até o fim de abril.