Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.514,06
    -1.643,38 (-4,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Buenos Aires alivia restrições por Covid

·1 minuto de leitura
(Junho) Funcionários e clientes de restaurantes protestam em Buenos Aires contra as restrições impostas pelo presidente Alberto Fernández

A cidade de Buenos Aires decidiu aliviar as restrições motivadas pela Covid-19, ante a queda no número de casos da doença, e permitirá a reabertura de shoppings, cinemas e teatros, anunciou nesta sexta-feira o prefeito Horacio Larreta.

"Consolidou-se a tendência de baixa observada há duas semanas. A média de casos diários caiu de 2.600 para 1.600. A taxa de contágios se mantém abaixo de 1, em 0,9", informou o prefeito, durante entrevista coletiva. A cidade soma 438.850 casos de Covid, em um total nacional de mais de 4 milhões.

A partir de segunda-feira, os bares e restaurantes, que permaneceram fechados durante a noite nas últimas semanas, poderão funcionar até as 23h, em ambientes abertos. Também na próxima semana poderão retornar parcialmente às aulas presenciais os alunos do ensino fundamental.

Apesar do alívio das restrições em Buenos Aires e periferia, no restante do país elas se mantêm, devido à alta taxa de contágios, que deixa as UTIs com uma ocupação média de 77,8%.

Com 45 milhões de habitantes, a Argentina soma mais de 84 mil mortos pela doença e é o terceiro país com mais óbitos em relação à sua população, atrás de Uruguai e Paraguai, segundo um balanço da AFP com base em números oficiais. Cerca de 25% dos argentinos foram vacinados, a maioria com a primeira dose.

dm-nn/lda/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos