Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    34.947,98
    -3.639,39 (-9,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

BTG reduz ocupação de escritórios a 10% com ômicron e gripe

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Grandes bancos deram um passo atrás na retomada do trabalho presencial e estão reavaliando o retorno dos funcionários aos escritórios diante do avanço da ômicron e da gripe no país.

Antes da virada do ano, o BTG Pactual decidiu reduzir para 10% a ocupação em todos os seus escritórios no Brasil e no exterior. O restante da equipe segue em home office. Antes, a ocupação ficava abaixo de 50%, segundo a empresa.

O banco, que tem cerca de 4.000 funcionários no Brasil, afirma que tem feito dois testes por semana e solicita comprovante de vacinação aos que estão trabalhando presencialmente.

Com o pico de infecções no início do ano, o Itaú também voltou a orientar que os funcionários priorizem o home office. Em setembro, o banco havia iniciado um projeto-piloto para retomar gradualmente o retorno aos escritórios administrativos em modelos híbrido com escala, híbrido flexível ou presencial.

O Bradesco decidiu manter o ritmo com volta gradativa. Segundo a empresa, neste momento, 60% do quadro de funcionários das áreas administrativas estão trabalhando nos escritórios de forma alternada —30% em cada semana.

Procurado pela reportagem, o Santander não comenta. No início da pandemia, em 2020, o presidente Sérgio Rial manifestou ceticismo sobre a prática.

Em uma apresentação aos funcionários, falou em deserção ao se referir a quem quis trocar o trabalho presencial no banco pelo home office, naquele momento em que as mortes pelo coronavírus começavam a crescer no Brasil.

Depois, sugeriu uma abdicação voluntária de benefícios ou parte do salário por funcionários que optassem pelo trabalho remoto, uma vez que gastariam menos tempo e dinheiro para ir até a empresa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos