Mercado fechará em 1 h 24 min
  • BOVESPA

    113.246,05
    +973,04 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.438,33
    -83,10 (-0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,60
    +0,70 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.945,80
    +6,60 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    23.138,14
    -39,05 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,48
    +6,68 (+1,29%)
     
  • S&P500

    4.045,92
    +28,15 (+0,70%)
     
  • DOW JONES

    33.860,06
    +142,97 (+0,42%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.077,00
    +109,00 (+0,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5228
    -0,0242 (-0,44%)
     

BTG e Bradesco estão entre bancos mais expostos à Americanas

Homem passa pelas Lojas Americanas em Brasília

Por Tatiana Bautzer e Gabriel Araujo

SÃO PAULO (Reuters) - BTG Pactual, Bradesco e Santander Brasil estão entre os mais expostos à dívida da Americanas, mostraram estimativas de analistas nesta segunda-feira, depois que a varejista obteve uma liminar protegendo-a dos credores.

Analistas do JPMorgan e do Citi disseram que o Bradesco tinham a maior exposição nominal à empresa, enquanto o BTG Pactual liderava a exposição como proporção dos empréstimos.

A Americanas revelou na semana passada que detectou 20 bilhões de reais em "inconsistências contábeis". Seu presidente- executivo e diretor financeiro renunciaram. As ações da varejista caíram quase 80% até agora este ano.

Um juiz deu prazo de 30 dias para que a empresa peça recuperação judicial. No sábado, o BTG recorreu da decisão que protege a Americanas dos credores, atacando os acionistas da varejista, um trio de bilionários e fundadores da 3G Capital.

Nesta segunda-feira, Bank of America e BV também recorreram da decisão, segundo o jornal O Globo. Nenhum dos bancos respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Considerando estimativas do JPMorgan e do Citi, o BTG tinha exposição de 1,9 bilhão de reais à Americanas, o que representava cerca de 1,5% dos empréstimos, enquanto o Bradesco tinha exposição de 4,7 bilhões de reais, ou 0,5% dos empréstimos. O Santander Brasil tinha 3,7 bilhões de reais, ou cerca de 0,6% dos empréstimos.

"Achamos que o impacto de nossa cobertura pode variar de 1% a 7% no lucro líquido e de 0,1% a 1% em termos de patrimônio", disse o Citi, observando que Santander Brasil, BTG e Bradesco seriam os mais afetados em ambas as contas.

Sergio Rial, o ex-presidente-executivo da Americanas que revelou as inconsistências contábeis, é ex-chefe do Santander Brasil, onde ainda atua como presidente do conselho.

"Com base em casos corporativos anteriores no Brasil, acreditamos que os bancos devem começar a provisionar cerca de 30% disso, o que pode eventualmente aumentar", disse o JPMorgan.

As ações do BTG caíram mais de 4% na segunda-feira, enquanto as do Santander Brasil e do Bradesco caíram mais de 3% cada, ante queda de 1,5% do Ibovespa.

As ações da Americanas despencaram 38,4%, para 1,94 real, nesta segunda-feira.

A Moody's cortou a classificação da varejista para "Caa3", colocando-a sob revisão para um novo rebaixamento.