Mercado fechará em 5 h 28 min
  • BOVESPA

    112.466,73
    +2.217,00 (+2,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.389,51
    +561,38 (+1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,86
    +1,37 (+1,94%)
     
  • OURO

    1.777,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    42.530,97
    -163,50 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.060,40
    +19,92 (+1,91%)
     
  • S&P500

    4.394,59
    +40,40 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.293,86
    +374,02 (+1,10%)
     
  • FTSE

    7.079,80
    +98,82 (+1,42%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.112,25
    +88,25 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1949
    +0,0158 (+0,26%)
     

Bruno Saraiva, do BofA, vê ano recorde para ofertas de ações

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As ofertas de ações de empresas brasileiras provavelmente chegarão a mais de R$ 159 bilhões neste ano, que deve ultrapassar 2020 como o mais forte de todos os tempos, de acordo com o Bank of America Corp.

Neste ano até 30 de agosto, o total levantado está em R$ 126 bilhões, um aumento de 40% em relação ao mesmo período em 2020, mostram dados compilados pela Bloomberg. As ofertas públicas iniciais já atingiram um recorde, enquanto empresas como a varejista Magazine Luiza e a operadora hospitalar Rede D’Or São Luiz recorreram a ofertas subsequentes para financiar aquisições e o crescimento pós-pandemia.

“É um ano espetacular, no qual os mercados de capitais têm sido realmente uma alavanca para o crescimento econômico do Brasil”, disse Bruno Saraiva, co-chefe do banco de investimento do Bank of America no Brasil, em entrevista. “Uma parte substancial dos recursos foi usada para financiar investimentos e planos de expansão”, disse ele, em contraste com o ano passado, quando as saídas de acionistas representaram grande parte do total.

Após um segundo trimestre forte, Saraiva espera um período “menos intenso” nos próximos meses, principalmente por causa da alta de juros que o Banco Central está promovendo para domar a inflação.

“À medida que os juros aumentam, o mercado fica mais arisco”, disse ele. “Mas mesmo com investidores mais seletivos, a janela ainda está aberta para boas histórias com preços corretos”, disse ele, citando setores como consumo, saúde e tecnologia como prováveis ​​emissores.

Quarenta e cinco empresas brasileiras abriram o capital neste ano e cerca de 30 estão na fila para uma listagem local. O BofA ocupa o terceiro lugar entre os bancos coordenadores de ofertas de ações do Brasil até agora neste ano, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. O banco participou de oito das dez maiores ofertas, incluindo o IPO de R$ 6,9 ​​bilhões da empresa de biocombustíveis Raízen, o maior deste ano, mostram os dados.

Considerando-se o IPO do Pátria, que tem sede em Grand Cayman mas atua predominantemente no Brasil, o BofA liderou 9 das 10 maiores vendas de ações de empresas brasileiras neste ano.

O BofA dobrou sua equipe de banco de investimento no Brasil nos últimos 24 meses e vê espaço para continuar se expandindo, segundo Saraiva. Os planos incluem fortalecer o negócio local de renda fixa, bem como sua operação de assessoria em fusões e aquisições.

“Quando uma empresa levanta capital, o próximo passo tende a ser uma aquisição, então esperamos que a atividade de M&A aumente”, disse Saraiva.

(Atualiza com o IPO do Pátria, no sétimo parágrafo)

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos