Mercado abrirá em 12 mins
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,17
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.747,50
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    41.323,81
    -2.440,37 (-5,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.026,53
    -82,39 (-7,43%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.049,24
    -29,11 (-0,41%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.193,25
    -110,25 (-0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2561
    +0,0311 (+0,50%)
     

Bruna Benites espera duelo difícil da Seleção feminina com o Canadá, mas frisa: 'Estamos preparadas'

·1 minuto de leitura


Nem mesmo o fato da Seleção feminina ter enfrentado o Canadá em amistosos é visto por Bia Benites como um trunfo para o duelo desta sexta-feira (30), pelas quartas de finais da Olimpíada. Em entrevista divulgada pela CBF TV, a defensora apontou que esta situação torna o embate ainda mais acirrado.

- Nós enfrentamos o Canadá várias vezes, inclusive em amistosos, mas agora em quartas de final é ainda mais difícil. É um adversário que a gente conhece e que conhece a gente, mas agora é para valer. De qualquer forma, acredito que estamos preparadas, trabalhamos bastante - e, em seguida, falou sobre as condições da Seleção na Olimpíada:

- Não estamos no nosso nível ideal, mas estamos bem perto disso - completou.


Bruna Benites ainda fez um balanço do desempenho da primeira fase da Seleção feminina.

- Foram três jogos bem diferentes, com escolas diferentes. Primeiro, com a China, uma escola asiática, de estilo intenso, rápido, um jogo de bastante desgaste. Depois, tivemos a Holanda, que é a segunda colocada do mundo, um adversário com ataque forte, no qual mostramos que podemos jogar de igual para igual. Além disto, a Zâmbia que é sempre um rival difícil, de muita força, intensidade. Fomos inteligentes, o único time que não tomou gol deles - declarou.


Aos seus olhos, a opção de Pia Sundhage por fazer variações na escalação, em especial diante de Zâmbia, teve vantagens.

- Foi importante para todo mundo rodar o grupo, jogar o grupo, todas sentirem a Olimpíada, chegamos com o grupo homogêneo - declarou.

O Brasil encara o Canadá na sexta-feira (30) em Miyagi.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos