Mercado abrirá em 7 h 31 min
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,41
    -1,09 (-1,39%)
     
  • OURO

    1.631,70
    -4,50 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    18.731,38
    -1.281,87 (-6,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    428,67
    -30,46 (-6,63%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.356,68
    -503,63 (-2,82%)
     
  • NIKKEI

    25.981,92
    -589,95 (-2,22%)
     
  • NASDAQ

    11.218,75
    -115,00 (-1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1400
    -0,0199 (-0,39%)
     

Browne da Pimco vê S&P 500 em queda até primeira metade de 2023

(Bloomberg) -- O mercado de renda variável dos EUA enfrentará tempos difíceis entre agora e a primeira metade de 2023, à medida que aumentos de juros e o enfraquecimento do consumo apertarem os lucros das empresas, segundo uma gestora da Pimco.

As ações provavelmente atingirão o fundo do poço “em algum momento do primeiro semestre do ano que vem”, disse Erin Browne, gestora de portfólio multiativos, em entrevista. Inflação e recessão reduzirão a demanda do consumidor no terceiro e quarto trimestres, disse ela.

E por isso, ela acha que as estimativas de lucros atuais estão mal precificadas, já que não incorporam totalmente os impactos de cortes de gastos e danos econômicos decorrentes do aperto monetário do Federal Reserve. Sua visão contrasta com a queda no número de problemas com inflação e cadeias de suprimentos citados nas teleconferências de balanços do segundo trimestre, segundo levantamento da Bloomberg Intelligence.

Browne disse que o S&P 500 pode cair para níveis entre 3.500 e 3.750 pontos, mas acrescentou que uma recessão mais severa pode fazer com que o índice caia para até 3.000, de mais de 3.900 agora.

Historicamente, os lucros caem de 15% a 20% quando os EUA entram em recessão, segundo dados da Pimco. Os modelos da gigante de investimento mostram queda de lucros no quarto trimestre, na comparação ano-a-ano.

Preços mais altos vão corroer os gastos dos americanos, mesmo que o Federal Reserve e outros bancos centrais tenham que “apertar em um ambiente de demanda enfraquecida”.

Ecoando Comentários de Mike Wilson, do Morgan Stanley, na quarta-feira, Browne disse que as atuais estimativas de lucros das empresas estão defasadas.

“Elas estão falando sobre o que estão vendo agora, em vez de realmente ter grande visibilidade nos próximos seis a 12 meses”, disse ela.

Com turbulência à frente, Browne prefere estar comprada em setores de maior qualidade, como saúde, chamando-o de “um ponto positivo” em um ambiente mais recessivo. E a Pimco espera que as ações cíclicas, como as do setor industrial, de mineração e logística, tenham desempenho inferior em meio à demanda mais fraca.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.