Mercado abrirá em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,65
    +0,01 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.728,40
    +5,40 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    48.864,86
    +1.543,79 (+3,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,54
    -4,12 (-0,42%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.625,28
    +36,75 (+0,56%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.230,75
    -49,00 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7825
    -0,0131 (-0,19%)
     

Britânico oferece US$ 70 milhões para escavar lixão em busca de HD com Bitcoins

Felipe Demartini
·3 minuto de leitura

O britânico James Howells ofereceu US$ 70 milhões para a prefeitura de Newport City, no País de Gales, em troca de uma licença para escavar um aterro sanitário. O montante representa 25% da fortuna contida em um disco rígido que estaria no local e foi jogado fora por ele em 2013, por engano, levando junto um total de 7.500 Bitcoins, um valor equivalente a mais de US$ 261,8 milhões, ou mais de R$ 1,38 bilhão, para deixar as cifras ainda mais impressionantes.

A proposta foi feita na última semana e acompanhava duas exigências: o total somente deveria ser pago caso o HD fosse efetivamente encontrado em um estado funcional, e caso isso acontece, a doação deveria ser dividida entre os moradores de Newport City. De acordo com Howells, o montante seria de cerca de US$ 239 para cada habitante, o equivalente a R$ 1.268. O governo, porém, negou a proposta e, de acordo com o britânico, nem mesmo quis se encontrar pessoalmente com ele para discutir o assunto.

Não é a primeira vez que Howells aparece nas páginas do noticiário por seu deslize. Um pedido semelhante, mas não envolvendo compensação financeira, já havia sido feito por ele em 2017, quando as Bitcoins contidas no HD perdido valiam cerca de R$ 322,9 milhões. Na ocasião, ele se comprometeu a financiar todo o processo de escavação e recuperação do aterro, mas teve a solicitação negada.

Os altíssimos valores negociados pela criptomoeda são, logicamente, a razão para a insistência, assim como a falta de interesse na modalidade, em seus primórdios, foi o motivo pelo qual o disco rígido acabou no lixo. O profissional de TI afirma disse ter minerado as unidades ainda em 2009, em seu primeiro ano de funcionamento, e nunca ter dado muita atenção a elas devido ao baixo valor.

Em 2010, porém, ele derrubou bebida em seu notebook e, por conta do estrago, desmontou o equipamento para vender as peças em bom estado e recuperar parte do valor empenhado na compra de uma máquina nova. O disco rígido, entretanto, permaneceu guardado em uma gaveta até algum momento entre junho e agosto de 2013, quando foi jogado fora junto com outros equipamentos obsoletos. Meses depois, em novembro, as Bitcoins bateriam sua primeira marca histórica, na ocasião, US$ 1.000, e Howells descobriu que poderia ser um milionário, mas que sua fortuna agora estava enterrada em um lixão.

<em>James Howells jogou fora um HD com mais de US$ 260 milhões e, agora, busca permissão oficial para escavar lixão e recuperar fortuna (Imagem: Shutterstock)</em>
James Howells jogou fora um HD com mais de US$ 260 milhões e, agora, busca permissão oficial para escavar lixão e recuperar fortuna (Imagem: Shutterstock)

Além de fazer a doação aos munícipes de Newport City, o britânico havia se comprometido a financiar toda a operação de escavação e busca, que poderia envolver dezenas de pessoas e muitos metros de profundidade, além de equipamento de segurança devido à emissão de gases e risco de incêncio. Uma tarefa nada fácil, sem dúvida nenhuma, mas nada que o valor de mais de duas dezenas de milhões de dólares não faça valer a pena. A área a ser vasculhada seria obtida a partir de registros de despejo do aterro sanitário e, caso recuperado, o disco rígido seria entregue a especialistas para recuperação dos dados.

Além dos 25% que seriam dados à cidade de Newport, Howells estima que outros 50% do total, ou seja, cerca de US$ 130 milhões, seriam usados nos trabalhos de escavação e recuperação ou revertidos a investidores que apoiariam o projeto. O britânico ficaria com os 25% restantes, ou US$ 70 milhões.

Em comunicado oficial, a prefeitura de Newport City afirmou não ter recusado a proposta de Howells, e sim, que uma escavação desse tipo no aterro sanitário é proibida, devido aos riscos e impactos ambientais. O município afirmou ter declinado pedidos anteriores pelo mesmo motivo e citou, ainda, o alto valor financeiro envolvido em uma operação que não tem garantia nenhuma de sucesso na localização do disco rígido e, em caso positivo, recuperação dos dados contidos nele.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: