Mercado abrirá em 9 h 13 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,85
    -1,81 (-2,19%)
     
  • OURO

    1.803,50
    +4,70 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    58.841,39
    -1.648,84 (-2,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.410,18
    -64,15 (-4,35%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.538,45
    -90,29 (-0,35%)
     
  • NIKKEI

    28.818,80
    -279,44 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.603,50
    +16,25 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

Brilhante! Foto tirada na ISS mostra raro evento luminoso transiente

·2 minuto de leitura

Na última sexta-feira (8), o astronauta Thomas Pesquet, da Agência Espacial Europeia (ESA), publicou uma foto de um fenômeno raro, registrado a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS). Ao observá-lo, você encontrará uma área luminosa que pode até parecer o resultado de alguma explosão por lá, mas, na verdade, o que o astronauta registrou foi a luz de um evento luminoso transiente (TLE).

Os TLEs são fenômenos luminosos que ocorrem na atmosfera superior e, como são muito breves, dificilmente são percebidos. Para completar, fotografá-los não é nada fácil, porque os TLEs acontecem em grandes altitudes e costumam estar escondidos por nuvens de tempestades. “Essa é uma ocorrência muito rara e temos uma instalação fora do laboratório Columbus, dedicada à observação dessas emissões de luz”, explicou Pesquet na publicação no Twitter.

Há diferentes tipos de TLE. Por exemplo, existem os sprites, fenômenos cujo nome é inspirado em um personagem da mitologia europeia, que surgem no céu como colunas avermelhadas que podem chegar a 90 km de altitude. Já os jatos azuis, TLEs causados por relâmpagos, acontecem em forma de cone na estratosfera, e podem chegar a 40 km de extensão. Pesquet não especificou qual foi o tipo de TLE observado, mas podemos especular que, talvez, trate-se de um “iniciador azul”.

Os iniciadores são parecidos com os jatos azuis — com a diferença de que, como não “conseguem” se tornar jatos propriamente ditos, eles acabam criando uma estrutura mais curta e bastante brilhante. Fotografá-los do solo é complicado, porque, como mencionado, ocorrem em altas altitudes e são bastante breves, durando de alguns milissegundos a poucos segundos. Felizmente, a ISS é um ótimo lugar para registrá-los: “a Estação Espacial Internacional é muito adequada para esse observatório porque voa pelo Equador, onde ocorrem mais tempestades”, explicou o astronauta.

Até poucas décadas atrás, esses fenômenos foram observados por pilotos que levaram seus relatos adiante; mesmo assim, ainda levou algum tempo até os cientistas se convencerem da existência dos TLEs. “Avance alguns anos e podemos confirmar que os elves e sprites são bem reais, e podem influenciar nosso clima”, mencionou Pesquet na publicação. Aliás, eles não são exclusivos da Terra: no ano passado, pesquisadores descobriram que também há TLEs em Júpiter.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos