Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,76
    -0,47 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.774,40
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    43.764,32
    +1.814,70 (+4,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.095,85
    +55,37 (+5,32%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.090,47
    +7,10 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.253,00
    +89,50 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1946
    -0,0142 (-0,23%)
     

BRF e AES Brasil formam JV para construir parque eólico no Nordeste

SÃO PAULO (Reuters) - A AES Brasil Energia e a companhia de alimentos BRF anunciaram nesta terça-feira a formação de uma joint venture com controle compartilhado para a construção de um parque eólico para autogeração no Complexo Eólico Cajuína, Rio Grande do Norte.

A unidade terá capacidade instalada de 160 MWm, gerando 80 MWm a serem comercializados com a BRF por meio de contrato de compra e venda de energia de 15 anos.

O investimento estimado para o desenvolvimento do parque eólico é de aproximadamente 5,2 milhões de reais por MW instalado.

A BRF disse que investirá diretamente o valor aproximado de 80 milhões de reais, a ser desembolsado durante o desenvolvimento do projeto, com início das operações previsto para 2024.

"O projeto está em consonância com a Visão 2030, com a política de sustentabilidade da companhia e com compromisso de se tornar Net Zero em emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2040, tanto em suas operações como em sua cadeia produtiva", disse a BRF.

Com a parceria, destacou a BRF, a companhia atenderá cerca de um terço de suas necessidades energéticas no Brasil, e evolui com sua meta de chegar a 2030 com mais de 50% da matriz energética proveniente de fontes renováveis, "além de mitigar riscos de escassez de abastecimento e operar com custos mais competitivos".

Já a AES Brasil disse que o empreendimento reforça sua estratégia de crescimento e diversificação de portfólio por meio de desenvolvimento de "projetos de fontes complementares à hídrica e com contratos de longo prazo e com retornos consistentes".

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos