Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.837,70
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.921,46
    +26,94 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

BRF diz que abrirá 3,4 mil vagas no Brasil até fim do ano em meio a maior consumo

·1 minuto de leitura
Unidade da BRF em Curitiba
Unidade da BRF em Curitiba

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia de alimentos BRF vai abrir cerca de 3.400 postos de trabalho até o final deste ano em unidades operacionais e administrativas, informou a empresa nesta terça-feira, citando o aumento do consumo de alimentos no período.

Os postos abrangem vagas fixas e temporárias nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, disse a BRF, que na semana passada reportou resultado acima do esperado no terceiro trimestre, impulsionado por forte desempenho no Brasil.

Segundo a companhia, haverá vagas em áreas como operação, agropecuária, logística, gestão, estratégia, inovação, qualidade, pesquisa e desenvolvimento, relações com investidores, sustentabilidade e tecnologia da informação.

"Para atender o maior consumo no final de ano, estamos com oportunidades de trabalho em todas as unidades produtivas", disse em nota a diretora de Gente para Supply da BRF, Indiara Manfre.

"A maioria é para cargos de entrada, pois priorizamos o desenvolvimento e encarreiramento de nossos colaboradores", acrescentou.

Os segmentos de agronegócio e alimentos estão entre os menos afetados pela pandemia de Covid-19, classificados como áreas essenciais. A BRF disse que a abertura de vagas a coloca "na contramão da crise econômica, que originou cortes e demissões".

(Por Gabriel Araujo)